quarta-feira, 4 de março de 2015

Jornalista Americano denuncia manobra do governo americano para derrubar o governo Dilma Roussef - publicado no Blog Theotonio dos Santos

O Blog do Theotônio dos Santos é altamente sério.

Theotonio dos Santos Júnior (Carangola, 11 de novembro de 1936) é um economista e cientista político brasileiro. Um dos formuladores da Teoria da Dependência. Hoje é um dos principais expoentes da Teoria do Sistema Mundo. Mestre em Ciência Política pela UnB e doutor "notório saber" pela UFMG e pela UFF. Professor emérito da UFF. Presidente da Cátedra e Rede UNESCO-Universidade das Nações Unidas (UNU) de "Economia Global e Desenvolvimento Sustentável" - REGGEN.

Não deixe de ler e compartilhar. Por mais que não gostemos de Dilma, ela foi eleita pela maioria da população e não pode ser destituída por movimentos estrangeiros ou da grande mídia brasileira. Filmes e propagandas com grandes atores globais contra Belo Monte, manchetes diárias sobre a Petrobrás, enquanto não há qualquer notícia sobre sua produtividade, assim como não há notícia  sobre a corrupção do HSBC Suíço que lava dinheiro do tráfico de armas, ditaduras e tráfico de drogas além de sonegação fiscal em todo o mundo... Peço que você que é leitor do Blog Perspectiva Crítica compartilhe esse artigo de um cientista social brasileiro respeitado em todo o mundo e veja que as palavras do artigo em comento, acusando o governo americano de tentar desestabilizar o governo Dilma, vêm de um jornalista americano, publicado em jornal de grande circulação no exterior. A questão e a acusação são sérias.
Não se deixe manipular.
Abraços
Mário César
 
Transcrição abaixo:
 
quarta-feira, 4 de março de 2015
JORNALISTA AMERICANO ALERTA QUE GOVERNO DOS EUA ESTÃO AGINDO PARA DERRUBAR DILMA
 
Existe um mecanismo para ocultar ou desmoralizar informações muitas vezes pública sobre a atuação dos interesses econômicos e geopolíticos internacionais que atribui sempre as denúncias destes interesses o caráter de um comportamento paranóico com a designação de "enfoque conspirativo".
 
O objetivo é transformar essas informações em inventos de uma imaginação sectária muito atribuída à "esquerda" em geral.
 
Espero que os leitores desta matéria possam abrir sua cabeça e buscar aprofundar o seu conhecimento dos instrumentos de atuação do gigantesco aparelho de "inteligência", meios de comunicação e mobilização (em particular a doutrina sistematizada por essas instituições secretas sob o nome de "guerra psicológica").
 
Hoje em dia dispomos de revelações do WikiLeaks que permitem conhecer em detalhe estas operações. Já não necessitamos esperar as comissões de inquérito do Congresso Norte Americano ou a publicação 25 anos depois das informações do Departamento de Estado ou as confrontações entre grupos econômicos internacionais.
 
O artigo abaixo escrito por um engenheiro e jurisprudente estadounidense publicado no New Eastern Outlook sistematiza informações conhecidas já pela opinião pública mundial.
 
Jornalista americano alerta que governo dos EUA estão agindo para derrubar Dilma
 
 
 
Jornalista americano conta como os norte-americanos agem para derrubar a presidente Dilma e buscam seus interesses perdidos após a Era FHC; intitulado de "um por todos e todos pelo Pré Sal" jornalista explica que o governo norte-americano tenta de tudo para conseguir a presidente fora do comando do governo
 
 
 
William Engdahl, norte-americano, engenheiro e jurisprudente (Princeton, EUA-1966), pós-graduado em economia comparativa (Estocolmo, Suécia-1969) escreveu um artigo em um dos jornais mais vendidos nos EUA, o New Eastern Outlook.
 
William alerta que o governo dos Estados Unidos estão agindo para derrubar a presidente Dilma Rousseff e conta como estão fazendo para tal.
 
Ele também conta que Washington apoiou até o ultimo minuto, o PSDB nas eleições de 2014. Confira o texto do jornalista norte americano traduzido pelo Portal Metrópole.
 
Um por todos, e todos pelo Pré-Sal
Entenda como o governo dos Estados Unidos quer reconquistar seus direitos no Brasil, perdidos no governo de Luiz Inácio Lula da Silva do Partido dos Trabalhadores e hoje age para derrubar a presidente reeleita.
 
Por William Engdahl

Para ganhar o segundo turno das eleições contra o candidato apoiado pelos Estados Unidos, Aécio Neves, em 26 outubro de 2014, a presidenta recém-reeleita do Brasil, Dilma Rousseff, sobreviveu a uma campanha maciça de desinformação do Departamento de Estado estadunidense. Não obstante, já está claro que Washington abriu uma nova ofensiva contra um dos líderes chave dos BRICS, o grupo não alinhado de economias emergentes – Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul. Com a campanha de guerra financeira total dos Estados Unidos para enfraquecer a Rússia de Putin e uma série de desestabilizações visando a China, inclusive, mais recentemente, a “Revolução dos Guarda-Chuvas” financiada pelos Estados Unidos em Hong Kong, livrar-se da presidente "socialmente propensa" do Brasil é uma prioridade máxima para deter o polo emergente que se opõe ao bloco da Nova (des)Ordem Mundial de Washington.

A razão por que Washington quer se livrar de Rousseff é clara. Como presidente, ela é uma das cinco cabeças do BRICS que assinaram a formação do Banco de Desenvolvimento dos BRICS, com capital inicial autorizado de 100 bilhões de dólares e um fundo de reserva de outros 100 bilhões de dólares. Ela também apoia uma nova Moeda de Reserva Internacional para complementar e eventualmente substituir o dólar. No Brasil, ela é apoiada por milhões de brasileiros mais pobres, que foram tirados da pobreza por seus vários programas, especialmente o Bolsa Família, um programa de subsídio econômico para mães e famílias da baixa renda. O Bolsa Família tirou uma população estimada de 36 milhões de famílias da pobreza através das políticas econômicas de Rousseff e de seu partido, algo que incita verdadeiras apoplexias em Wall Street e em Washington.

Apoiado pelos Estados Unidos, seu rival na campanha, Aécio Neves, do Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB), serve aos interesses dos magnatas e de seus aliados de Washington.

O principal assessor econômico de Neves, que se tornaria Ministro da Fazenda no caso de uma presidência de Neves, era Armínio Fraga Neto, [cidadão norte-americano e brasileiro] amigo íntimo e ex-sócio de Soros e seu fundo hedge "Quantum". O principal conselheiro de Neves, e provavelmente seu Ministro das Relações Exteriores, tivesse ele ganhado as eleições, era Rubens Antônio Barbosa, ex-embaixador em Washington e hoje Diretor da ASG em São Paulo.

A ASG é o grupo de consultores de Madeleine Albright, ex-Secretária de Estado norte-americana durante o bombardeio da Iugoslávia em 1999. Albright, dirigente do principal grupo de reflexão dos Estados Unidos, o "Conselho sobre Relações Exteriores", também é presidente da primeira ONG da “Revolução Colorida” financiada pelo governo dos Estados Unidos, o "Instituto Democrático Nacional" (NDI). Não é de surpreender que Barbosa tenha conclamado, numa campanha recente, o fortalecimento das relações Brasil-Estados Unidos e a degradação dos fortes laços Brasil-China, desenvolvidos por Rousseff na esteira das revelações sobre a espionagem norte-americana da Agência de Segurança Nacional (NSA) contra Rousseff e o seu governo.

Surgimento de escândalo de corrupção

Durante a áspera campanha eleitoral entre Rousseff e Neves, a oposição de Neves começou a espalhar rumores de que Rousseff, que até então jamais fora ligada à corrupção tão comum na política brasileira, estaria implicada num escândalo envolvendo a gigante estatal do petróleo, a Petrobras. Em setembro, um ex-diretor da Petrobras alegou que membros do governo Rousseff tinham recebido comissões em contratos assinados com a gigante do petróleo, comissões essas que depois teriam sido empregadas para comprar apoio congressional. Rousseff foi membro do conselho de diretores da companhia até 2010.

Agora, em 2 de novembro de 2014, apenas alguns dias depois da vitória arduamente conquistada por Rousseff, a maior firma de auditoria financeira dos Estados Unidos, a "Price Waterhouse Coopers" se recusou a assinar os demonstrativos financeiros do terceiro trimestre da Petrobras. A PWC exigiu uma investigação mais ampla do escândalo envolvendo a companhia petrolífera dirigida pelo Estado.

A Price Waterhouse Coopers é uma das firmas de auditoria, consultoria tributária e societária e de negócios mais eivadas de escândalos nos Estados Unidos. Ela foi implicada em 14 anos de encobrimento de uma fraude no grupo de seguros AIG, o qual estava no coração da crise financeira norte-americana de 2008. E a Câmara dos Lordes britânica criticou a PWC por não chamar atenção para os riscos do modelo de negócios adotado pelo banco "Northern Rock", causador de um desastre de grandes proporções na crise imobiliária de 2008 na Grã-Bretanha, cliente que teve que ser resgatado pelo governo do Reino Unido.
Intensificam-se os ataques contra Rousseff, disso podemos ter certeza.

A estratégia global de Rousseff

Não foi apenas a aliança de Rousseff com os países dos BRICS que fez dela um alvo principal da política de desestabilização de Washington. Sob seu mandato, o Brasil está agindo com rapidez para baldar a vulnerabilidade à vigilância eletrônica norte-americana da NSA.

Dias após a sua reeleição, a companhia estatal Telebras anunciou planos para a construção de um cabo submarino de telecomunicações por fibra ótica com Portugal através do Atlântico. O planejado cabo da Telebras se estenderá por 5.600 quilômetros, da cidade brasileira de Fortaleza até Portugal. Ele representa uma ruptura maior no âmbito das comunicações transatlânticas sob domínio da tecnologia norte-americana. Notadamente, o presidente da Telebras, Francisco Ziober Filho, disse numa entrevista que o projeto do cabo será desenvolvido e construído sem a participação de nenhuma companhia estadunidense.

As revelações de Snowden sobre a NSA em 2013 elucidaram, entre outras coisas, os vínculos íntimos existentes entre empresas estratégicas chave de tecnologia da informática, como a "Cisco Systems", a "Microsoft" e outras, e a comunidade norte-americana de inteligência. Ele declarou que:
"A questão da integridade e vulnerabilidade de dados é sempre uma preocupação para todas as companhias de telecomunicações".

O Brasil reagiu aos vazamentos da NSA periciando todos os equipamentos de fabricação estrangeira em seu uso, a fim de obstar vulnerabilidades de segurança e acelerar a evolução do país rumo à autossuficiência tecnológica, segundo o dirigente da Telebras.

Até agora, virtualmente todo tráfego transatlântico de TI encaminhado via costa leste dos Estados Unidos para a Europa e a África representou uma vantagem importante para espionagem de Washington.

Se verdadeiro ou ainda incerto, o fato é que sob Rousseff e seu partido o Brasil está trabalhando para fazer o que ela considera ser o melhor para interesse nacional do Brasil.

A geopolítica do petróleo também é chave

O Brasil também está se livrando do domínio anglo-americano sobre sua exploração de petróleo e de gás. No final de 2007, a Petrobras descobriu o que considerou ser uma nova e enorme bacia de petróleo de alta qualidade na plataforma continental no mar territorial brasileiro da Bacia de Santos.
Desde então, a Petrobras perfurou 11 poços de petróleo nessa bacia, todos bem-sucedidos. Somente em Tupi e em Iara, a Petrobras estima que haja entre 8 a 12 bilhões de barris de óleo recuperável, o que pode quase dobrar as reservas brasileiras atuais de petróleo. No total, a plataforma continental do Brasil pode conter mais de 100 bilhões de barris de petróleo, transformando o país numa potência de petróleo e gás de primeira grandeza, algo que a Exxon e a Chevron, as gigantes do petróleo norte-americano, se esforçaram arduamente para controlar.

Em 2009, segundo cabogramas diplomáticos norte-americanos vazados e publicados pelo Wikileaks, a Exxon e a Chevron foram assinaladas pelo consulado estadunidense no Rio de Janeiro por estarem tentando, em vão, alterar a lei proposta pelo mentor e predecessor de Rousseff em seu Partido dos Trabalhadores, o presidente Luís Inácio Lula da Silva, ou Lula, como ele é chamado.[Foi revelado pelo Wikileaks que José Serra, o então candidato do PSDB que competia contra Dilma pela presidência, prometera confidencialmente à Chevron que, se eleito, afastaria a Petrobras do pré-sal para dar espaço às petroleiras estadunidenses].

Essa lei de 2009 tornava a estatal Petrobras operadora-chefe de todos os blocos no mar territorial. Washington e as gigantes estadunidenses do petróleo ficaram furiosos ao perderem controles-chave sobre a descoberta da potencialmente maior jazida individual de petróleo em décadas.

Para tornar as coisas piores aos olhos de Washington, Lula não apenas afastou a Exxon Mobil e a Chevron de suas posições de controle em favor da estatal Petrobras, como também abriu a exploração do petróleo brasileiro aos chineses.
 
Em dezembro de 2010, num dos seus últimos atos como presidente, ele supervisionou a assinatura de um acordo entre a companhia energética hispano-brasileira Repsol e a estatal chinesa Sinopec. A Sinopec formou uma joint venture, a Repsol Sinopec Brasil, investindo mais de 7,1 bilhões de dólares na Repsol Brasil. Já em 2005, Lula havia aprovado a formação da Sinopec International Petroleum Service of Brazil Ltd, como parte de uma nova aliança estratégica entre a China e o Brasil, precursora da atual organização do BRICS.

Washington não gostou

Em 2012, uma perfuração conjunta, da Repsol Sinopec Brazil, Norway’s Stateoil e Petrobras, fez uma descoberta de importância maior em Pão de Açúcar, a terceira no bloco BM-C-33, o qual inclui Seat e Gávea, esta última uma das 10 maiores descobertas do mundo em 2011. As maiores [empresas] do petróleo estadunidenses e britânicas absolutamente sequer estavam presentes.

Com o aprofundamento das relações entre o governo Rousseff e a China, bem como com a Rússia e com outros parceiros do BRICS, em maio de 2013, o vice-presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, veio ao Brasil com sua agenda focada no desenvolvimento de gás e petróleo. Ele se encontrou com a presidenta Dilma Rousseff, que havia sucedido ao seu mentor Lula em 2011. Biden também se encontrou com as principais companhias energéticas no Brasil, inclusive a Petrobrás.

Embora pouca coisa tenha sido dita publicamente, Rousseff se recusou a reverter a lei do petróleo de 2009 de maneira a adequá-la aos interesses de Biden e de Washington. Dias depois da visita de Biden, surgiram as revelações de Snowden sobre a NSA, de que os Estados Unidos também estavam espionando Rousseff e os funcionários de alto escalão da Petrobras. Ela ficou furiosa e, naquele mês de setembro, denunciou a administração Obama diante da Assembleia Geral da ONU por violação da lei internacional. Em protesto, ela cancelou uma visita programada a Washington. Depois disso, as relações Estados Unidos-Brasil sofreram grave resfriamento.

Antes da visita de Biden em maio de 2013, Dilma Rousseff tinha uma taxa de popularidade de 70 por cento. Menos de duas semanas depois da visita de Biden ao Brasil, protestos em escala nacional convocados por um grupo bem organizado chamado "Movimento Passe Livre", relativos a um aumento nominal de 10 por cento nas passagens de ônibus, levaram o país virtualmente a uma paralisação e se tornaram muito violentos. Os protestos ostentavam a marca de uma típica “Revolução Colorida”, ou desestabilização via Twitter, que parece seguir Biden por onde quer que ele se apresente. Em semanas, a popularidade de Rousseff caiu para 30 por cento..
 
 
Acesse o original em http://theotoniodossantos.blogspot.com.br/2015/03/jornalista-americano-alerta-que-governo.html
 

quinta-feira, 26 de fevereiro de 2015

Assuntos pouco publicados na Grande Mídia: Bilhões de reais públicos em universidades privadas, HSBC Suíço e a Corrupção Suíça e CPI de Próteses e Órteses e Médicos Corruptos

Importante nós do Blog Perspectiva Crítica podermos dar o contraponto e inovar na pauta de discussões sociais. A grande mídia não cobre corretamente os fatos sociais an proporção de sua importÂncia, pois tem seus príorpios interesses empresariais, informativos e comerciais que muitas vezes não são os mesmos ou na mesma proporção do interesse dos indivíduos em determinados temas.

Por exemplo, quem ouviu falar mais alguma coisa sobre as vigas da perimetral que aparentmente foram encontradas em terreno do Prefeito Eduardo Paes, como já foi publicado antes? Quem ouviu falar que aparentemente um dos envolvidos no Mensalão do PSDB de Eduardo Azeredo será beneficiado com a prescrição no STF por causa do atrasdo do julgamento deste mensalão? E o mensalão do DEM? E todos o trensalão do PSDB em São Paulo.. por que pararam as notícias?

É importante que você observe como a grande mídia pinça assuntos a serem abordados e a serem exaustivamente abordados. É bom que você veja isso, nõa para defender o governo petista, que está cada vez mais deslegitimado, mas foi eleito pela maioria da população, mas para você ter real dimensão do comprometimento da grande mídia... o comprometimento é com sua adequada, eficiente e melhor informação? Ou tem um viés ideológico, partidário, de pêndulo de poder, beneficiando uma parte da sociedade política em detrtimento de outra, em prejuízo à melhor informação?

Você responda. Muitas perguntas que faríamos e pesquisas nunca foram sequer mencionadas na pauta da grande mída brasileira, muito menos de foram exaustiva como publicam, por exemplo, que a inflação deva ser controlada com juros altos, por exemplo, ou de que funcionário público é gasto público e não investimento social. Nunca perguntaram ou investigaram a relação entre o ranking de países de maior IDH mundial e o ranking dos países com maior percentual de servidores públicos por habitante. Nunca perguntaram qual o percentual do gasto do orçamento público alemão, francês e norueguês com servidores em comparação com o Brasil e se isso tinha alguma relação com a melhor qualidade de vida das pessoas alemãs, francesas e norueguesas em relação aos brasileiros.

E mais. Nunca houve abordagem sobre como o salário mínimo alto das sociedades ricas pode colaborar para diminuir a inflação dando margem ao aumento de escala de produção de empresas e,portanto, diminuição de preços de produtos em sociedade. Nunca houve uma abordagem de como o serviço público concorre com a esfera privada por trabalhadores brasileiros e valoriza  a mão de obra na área privada. Há toda uma gama de informações não abordadas por omissão voluntária da grande mídia. E isso prejudica a sua qualidade de vida, tentando imprimir uma realidade, um ritmo e direcioanmento informativo que não tem objetivo precípuo em te informar tanto quanto tem em te induzir a engolir uma realidade construída por ela e seus back ghost writter and thinkers.

Hoje colocamos para você três temas não abordados corretamente ou em proporção adequada na mídia e faremos somente algumas considerações para provocar o seu questionamento e sua sede de informação, leitor.

DIMINUIÇÃO DE INVESTIMENTO EM UNIVERSIDADES PÚBLICAS E BILHÕES DE REAIS PARA BOLSAS NO ENSINO PRIVADO SUPERIOR

Foi publicado que Dilma cortou milhões do orçamento de universidades públicas, mas destina bilhões para o ssitema de ensino superior privado ao financiar bolsas para a população. A qualidade média das universidades públicas é comprovadamente melhor do que da média de universidades privadas. Então estaria havendo uma má alocação de verba pública para a educação, financiando um sistema de educação pior em prejuízo ao investimento em uma rede de ensino público superior de melhor qualidade ao cidadão brasileiro?

Tema mal abordado pela mídia. Por quê? Talvez porque apóie. Mas como nós somos mais isentos e temos enfoque total no interesse público, comentaremos. O importante não é a posição que você adote, mas o bom questionamento que faça.

O tema merece a seguinte reflexão: Qual a forma mais eficiente de aumentar o acesso ao ensino superior a quem quiser cursá-lo no Brasil: aumentando investimenbto em universidades públicas ou aumentando o número de bolsas financiadas pelo governo em universidades privadas? O que importa é a justificativa da estratégia... o melhor para o Blog é o investimento em universidades públicas, mas o financiamento de bolsas em universidades privadas pode, em um primeiro momento, diminuir a defasagem dessa educação no País de forma mais eficiente, leia-se barata para o resultado de maior número de pessoas diplomadas em sociedade.

A discussão é válida. Mas deveria ser incentivada pela mídia...

Outro tema pouco suscitado pela Mídia:

HSBC  E O SWISS LEAKS

Senhores, enquanto a grande mídia bate o que pode na Petrobrás, não sem razão, não houve muitas  (ou poucas... rsrsrs) linhas sobre o caso escandaloso e mundialmente comentado da corrupção no HSBC Suíço e o vazamento de documentos que comprovam a evasão de divisas e desvio de dinheiro público de bilhões de dólares através de contas secretas do banco referido.

Contas de Chavez, mas de empresários brasileiros, ditadores africanos, os suíços demonstram pouca ou nenhuma ética na prestação de serviço bancário para essas pessoas produzindo enorme lavagem de dinehrio em escala mundial!!!

Obrigado pela provocação Fábio Parada.

Por quê não há muita publicação dessa corrupção nababesca da área privada a desnudar o que todos sempre sabiam sobre contas secretas nso bancos suíços?!?! Esse dinheiro lavado na Suíça pode manter regimes ditatoriais, tráfico de Armas, Dorgas, de tudo que se possa imagiunar, além de mascarar evasão de divisas em países do todo o mundo. Por quê não publicar sobre isso?

A Receita Federal já abriu investigação contra a evasção de divisa efetuada por 342 brasileiros presentes em tais listas. A área pirvada rouba bem também, não é? O problema não parece ser público ou privado, mas crime e (falta de) ética.

E mais:

CPI DE CORRUPÇÃO MÉDICA COM PRÓTESES E ÓRTESES É REQUERIDA PELA ESQUERDA

Não houve muita publicação sobre a corrupação médica que desvia milhões e talvez bilhões de reais da saúde pública e privada, vitimando pacientes, faturamente de planos de saúde e orçamento de hospitais públicos e privados causado pela corrupção de médicos da área privada e pública que prescrevem mais órteses ou próteses do que o devido em conluio com os fabricantes destes equipamentos.

Apesar do pedido dos próprios planos de saúde de medidas contra esse problema que onera os planos de saúde e ceifa indevidamente seus lucros, e da reclamação de associações médicas, pouco ou nada é publicado na mídia.

Não é interessante que um tema desses fique longe da grande mídia? Por quê? Interessante... você não teria interesse em saber sobre isso a fundo? Mas é que antes do compromisso contigo e sua boa informação, a grande mídia tem seu interesse em não retirar temas de embate contra o governo das manchetes, portanto, sua informação0 sobre outros temas de corrupção serão deixados para última hora ou segundo plano, tendo em vista o comprometimento aparentemente político-partidário da grande mídia em cobrir exclusivamente sobre a Petrobrás.

Não que não deva cobrir a Petrobrás. O caso é grave. Mas o que condiciona ou impede a escolha e abordagem dos outros temas? Chamamos a grande mídia para cumprir seu papela de informar bem sobre tudo. Isso é comprometimento com a boa informação e com a democracia.
HSBC Suíço e o Swiss Leaks.

quarta-feira, 18 de fevereiro de 2015

Impeachment de Dilma levaria à eleição de Lula? Aspectos políticos da situação do governo.

Meu grande amigo Oswaldo Tolesani sugeriu em seu face esse tema. Oswaldo é um grande amigo e médico, muito chateado, desiludido e contrariado com o governo petista. Inicialmente defensor do governo Lula, tornou-se fervoroso e ácido crítico do governo Dilma e eleitor da oposição. É um perfil perfeito para boas perguntas, boas críticas e bons temas de debates políticos. Respondemos à proposta de tal forma que nos pareceu interessante compartilhar com os leitores do Blog Perspectiva Crítica.

Em suma, ele defendeu que tendo Dilma sido eleita, que terminasse seu governo e que o povo e o governo arcassem com seus ônus (de um mau governo), sublinhando, sagazmente, que retirar Dilma do Poder poderia levar à eleição de Lula, já que o PT vem se afastando da imagem do governo que vem adotando medidas de direita.

Nossa opinião publicada a você, leitor.

"Tema interessante, Oswaldo... impeachment de Dilma levando à eleição de Lula a partir do esforço do PT de se desconectar da imagem do governo... Interessante... E também concordo em parte com o que você disse: está eleita, agora leva o governo e arque com o ônus ou bônus ao final. 

Pelo que vejo o problema maior está sendo a base do governo.. o Levy apresenta projetos para a organização das finanças, incluindo atenção e combate a fraudes na concessão de benefícios trabalhistas. Como a mídia publica que "mexer nos direitos trabalhistas" constitui uma traição ao eleitor de Dilma, e quem elegeu Dilma elegeu a base governista, em especial os deputados e senadores petistas, estes, não querendo fazer parte do que a mídia identifica como traidores da eleição, se opõem ao que o governo está, no momento, apresentando para acertar a economia. 

As medidas que Levy está tomando não são de direita ou esquerda, são técnicas para organizar finanças públicas. Se fossem de direita, cortaria ou deixaria de aumentar verbas sociais, de programas sociais do governo. Se fossem de direita, poderiam incluir que o juros fosse imediatamente a 15%, como o mercado gostaria, para forçar a inflação para baixo , se despreocupando com o desemprego que seria gerado ou recessão. Mas a mídia e a oposição não querem ajudar o governo a ser entendido. A mídia precisa vender jornal e enaltecer conflitos é bom para isso. A oposição precisa de um rótulo em torno do qual se organizar para atacar o governo que está tomando medidas em parte parecidas com as que tomaria se fosse governo e que podem efetivamente organizar o Brasil, porque se isso ocorrer a economia irá bem a partir de 2016 e uma eleição fica mais longe de ser alcançada. Então o rótulo de traidora dos eleitores resolve o problema comercial da mídia e político da oposição. 

O projeto do governo permanece o mesmo: controle de inflação, com proteção ao nível de emprego e esforço para que haja crescimento econômico. Os resultados das políticas de governo são diferentes no tempo, dependendo de vários fatores internos e externos, a partir das escolhas de governo que muitos consideram erradas e outros tentativas legítimas em que algumas deram certo e outras não. O resultado é mais ou menos o que você (Oswaldo) coloca aqui: Mídia contra e oposição contra com um rótulo bom está fazendo a base do governo e a base petista querer se afastar do mesmo rótulo de traidores do eleitor, criando dificuldades para o implemento de boas medidas fiscais. Os resultados podem ser: não ajuste adequado da economia, falência da imagem do governo e uma força ao movimento "Volta Lula"? É uma hipótese verossímel. Mas muita água ainda está aí para rolar. 

Deixar o governo até o fim gerará seu esfacelamento? Impeachment? Cassação de mandato? O governo depende mais do que nunca de sua capacidade de argumentação e comunicação com o Congresso e com a sociedade, no que o governo Dilma nunca foi muito bom. Mas o governo, a meu ver está tomando medidas corretas apesar de estar tendo dificuldade de implementá-las. Impeachment, sem fato concreto que ligue Dilma aos fatos de corrupção na Petrobrás e nas verbas ilícitas do PT não é possível. Cassação de mandato é aparentemente mais possível pela prova mais aparente de que dinheiro público desviado da Petrobrás financiou a campanha Dilma-Temer.. mas o ideal seria que a mídia publicasse honestamente, que a oposição apoiasse atos e projetos responsáveis de governo, apontando, como quisesse, que isso é agenda da oposição, e o Brasil pudesse andar pra frente para na próxima eleição, depois do respeito de mais quatro anos de mandato presidencial legitimamente escolhido pela maioria, o governo apresentasse números, a oposição, sua perspectiva e o povo escolhesse o próximo presidente, o qual, até para fins de garantir fortalecimento democrático, deveria ser da oposição ou ao menos de outra força política. Mas Levy está determinado... vamos ver o que ocorre nessa gigante e importante novela predileta do brasileiro.. "

Esse, para nós é o tipo de debate sério de que o País precisa. Nada de rancor e ódio contra o governo. Razão. Discussão. Frieza. E respeito à Constituição. O País não foi feito em quatro anos e nem se desfará em outros quatro anos.

Tudo o que ocorrerá daqui para frente, senhores, dependerá muito dos resultados e do andamento dos processos da Operação Lava-Jato. A classe política será denunciada agora. O impacto dessa denúncia e do seu desenrolar com políticos sendo presos será crucial para imagem do governo, do PT e da oposição. Então, impeachment, cassação de mandato, imagem do PT, imagem do PSDB, fidelidade da base governista, isenção da mídia (rsrsrsrs, desculpem..rsrsrs)... tudo estará para ser influenciado e à prova após essa próxima fase da Operação Lava-Jato que é, não sem razão, comparada com a Operação Mãos Limpas na Itália, tanto pelo Juiz Sérgio Moro quanto pelo jornalista Elio Gaspari.

Qualquer previsão política antes de maior definição da Operação Lava-Jato e futurologismo é precipitação. O certo, no momento, é que a imagem do PT está desgastada e que as considerações da Justiça Eleitoral durante o último pleito de que deve haver um método de propaganda eleitoral que diminua a influência dos marqueteiros políticos e aumente o embate pessoal e de idéias entre os candidatos está correta.

Agradecemos o tema proposto por Oswaldo Tolesani.

Grande abraço Oswaldo.

terça-feira, 10 de fevereiro de 2015

Atenção leitor: Últimas Informações sobre Bolha Imobiliária e Perspectivas Econômicas para 2016-2018

Pessoal, em economia não adianta ficar vendo só o momento atual como publicado em massa nos jornais. É importante que você esteja sempre em busca da tendência do mercado. O ideal é que você consiga, e isso é difícil mas não impossível, ver três a cinco anos para frente. Aí é que ocorre a diferença no seu posicionamento que pode te garantir uma situação melhor no futuro. Você pode se antecipar.

Ninguém pode prever desastres ou grandes reviravoltas que podem te beneficiar ou te prejudicar. Um grande exemplo foi o mencionado por Delfim Neto em um antigo artigo, sobre o hoje falido e até então gigante financeiro americano Lehman Bros. Há meses da eclosão da crise financeira americana que gerou a crise financeira mundial, Lehman tinha feito uma captação de alguns bilhões de dólares. Tinha tido demanda para pelo menos o dobro do que captou, mas achou melhor não captar mais para deixar apetite para a próxima.. só que não houve próxima!!! Se o Lehman, no topo da cadeia alimentar financeira global, soubesse que a crise viria, ele deixaria essa demanda pra lá? Claro que não.

Cientes disso, só podemos conversar sobre tendências e cada um juntar informações sobre estas para discutir e formar sua convicção. No momento estão pululando notícias no Jornal do Commercio, claro, sobre o mercado imobiliário e no Globo, já em doses homeopáticas, sobre os próximos três anos.

No Jornal do Commercio foi publicado artigo sobre a Gafisa ter estoque de 3 bilhões de reais em imóveis residenciais e que não lançaria sequer um empreendimento que não fosse para a baixa renda, através de seu respectivo departamento, a empresa Tenda. Já falamos sobre isso no último artigo sobre o esvaziamento da bolha.

Bem, mais duas notícias surgiram nesta área: em 22/01/2015, o Jornal do Commercio publicou na sua primeira página as manchetes: "BC aumenta juro básico do País para 12,25% ao ano" e "Crédito imobiliário perde força", este informando que os financiamentos imobiliários em 2014 cresceram somente 3,4% no Brasil, contra a expectativa da Associação Brasileira das Entidades de Crédito Imobiliário e Poupança (Abecip) esperava 15% e que para 2015 esperava-se taxa modesta.

E agora, em 09/02/2015 foi publicada a seguinte manchete no Jornal do Commercio, que sempre falo para vocês assinarem para terem contraponto do Globo (mas o "Valor Econômico" também é bom): "Estrangeiros vão atrás de imóvel com desconto", informando que estrangeiros especializados em mercado imobiliário estão criando fundos para aproveitar no Brasil o momento de depreciação de valores dos imóveis residenciais, visando a comprar imóveis com 30% de desconto.

Para fechar o circuito informativo, no Jornal O Globo de hoje, dia 10/02/2015, página 21, está publicado o artigo intitulado "Brasil pode crescer entre 3% e 4% em 2016, diz guru dos emergentes". Mark Mobius, segundo o artigo, informa que acredita que o Brasil vai crescer 0,3% no final de 2015 e que pode crescer entre 3 e 4% a partir de 2016, considerando aumento de preço das commodities, puxados pelo crescimento de China e Índia, mantendo-se, também aquecida a demanda por combustíveis. Mark ainda informa que a questão da corrupção na Petrobrás é mais importante pelo prisma de o que se fará do que propriamente o que se fez, sugerindo que a administração recém-empossada adote a transparência para dar credibilidade ao mercado. Leia a íntegra do artigo.

Observem, o que nos dizem esses dados? Primeiro: o mercado imobiliário brasileiro chegou em um ponto de inflexão e de reflexão.. (risos). Não se sabe nunca onde está o pico de valores: para cima ou para baixo. O interesse de estrangeiros em voltar a comprar imóveis no Brasil é um dado importantíssimo que corrobora com o fato de que estamos no esvaziamento da bolha imobiliária, que houve queda de preços, e que em cima dessa queda de preço os estrangeiros aportarão grandes capitais aqui em talvez um ano, tempo de captação, pretendendo descontos de 30%.

Prestem atenção, senhores, infelizmente quando os estrangeiros aportam capitais, eles o fazem em grandes quantidades e pressionam o mercado para cima. Pode ser que neste tempo de captação vocês que não se endividaram ainda, possam encontrar, antes deles, imóveis com preços interessantes. As grandes empresas estão vendendo pouco, mas pagam condomínio e IPTU. Peçam o desconto que os estrangeiros pedirão!

Se o fim da queda de preços for quando os estrangeiros vierem, pode ser que o máximo de queda seja os 30% atuais e mais algum durante esse ano. Assim, os imóveis terão se valorizado entre 2008 e 2013, 300% no RJ, em média, por exemplo, e recuaram 30%, ou seja 1/3 daquela valorização, e o teto mínimo do preço atual dos imóveis pode ser essa valorização de pouco mais de 200%. Em vários casos houve valorização de 400% e a queda seria para 300% do valor de 2008. O importante é observar que a tendência dos imóveis hoje é de baixa, mas que estrangeiros querem aportar valores aqui e isso pode cortar o movimento de correção. Aí você deve ver seu interesse e fazer suas contas.

Antes do fim de 2014 houve uma tentativa de correção dos preços de imóveis, mas a Dilma, cremos de forma ruim, abortou esse movimento para que a economia não diminuísse crescimento em ano de eleição. Ela aumentou o limite do financiamento de 500 mil reais para 750 mil reais. Agora, não há mais dinheiro e crédito interno tão fácil, pois as pessoas que tinham pretensão de compra e esse crédito já se endividaram. Sem esse dinheiro e com o aumento de juros, o financiamento imobiliário interno pode até ser negativo esse ano, já que o ano passado somente cresceu 3,4%. Esse é um momento para estar atento a ofertas. E quem puder se antecipar à entrada dos estrangeiros, tanto melhor.

Se agora não será possível aumentar demanda por aumento de limite de financiamento acima de 750 mil reais, o que quase ninguém teria condições de contrair, não há pressão para aumentar valor dos imóveis não vendidos, mas os estrangeiros podem acabar fazendo o papel que a demanda interna não consegue e abortar o processo de esvaziamento da bolha imobiliária brasileira. É um problema, mas claro e avisado. E isso ocorre com a Bolsa de Valores também. A bolsa está caindo? Acompanhe o aumento de compras dos estrangeiros e procure tentar seguir esses passos. Você verá a bolsa reagindo e aí, quando a bolsa estiver subindo, você também verá os estrangeiros aumentando a sáida da bolsa antes do movimento de baixa se instalar. Mas o investidor comum tem dificuldade em seguir esses rastros. E o consultor da corretora não vai te dizer para sair do mercado porque os estrangeiros estão saindo, pois senão ele fica sem renda. Complicado.

Mas a verdade é que, segundo Thomas Piketty, enquanto em 1970 5% do capital disponível em mercado ficava parado na forma de investimento rentista, agora este valor é de 65%. Isso é um míssil, uma bomba atômica para economias que garantem total liberdade de entrada e saída de capital estrangeiro. E o Brasil garante essa liberdade. Então devemos estar atentos a estes movimentos. É um grande problema porque você, eu e pessoas físicas ficam com margem de tempo e valores baixos para aproveitar as pequenas janelas que a paralisação desse montante gigante de capital estrangeiro parado e disponível  cria e que deve estar consoante com momento de queda do mercado em que você quer atuar.

Mas como é muito dinheiro, sua mobilização demora um pouco (constituiçao de fundos de investimentos) e acabam sendo noticiados, momento em que você e eu devemos ficar de orelhas em pé e atentos, pois a tendência do mercado, no momento o imobiliário, pode mudar.

A última notícia do Jornal do Commercio, portanto, informando da constituição de fundos de investimentos para comprar imóveis residenciais depreciados no Brasil, se aproveitando do momento de dificuldade das grandes construtoras que não conseguem vender os imóveis e precisam se livrar da despesa, pode criar um teto de valor mínimo de imóveis ao fim de 2015. Isso é uma pena. Mas é isso.
Vamos acompanhar juntos essa movimentação, mas já avisamos: o esvaziamento da bolha imobiliária que já cedeu mais de 30% dos valores atuais dos imóveis pode esvaziar mais um pouco, mas pode encontrar a partir dos investimentos estrangeiros, esperados para fim de 2015 e início de 2016, uma pressão que poderia, não se sabe ainda, reverter ou estancar essa tendência de correção de preço de imóveis no Brasil. Fiquem atentos. Talvez para quem tenha disponibilidade de capital fosse interessante ver o que consegue, mesmo que não fosse o imóvel dos sonhos, pechinchando e talvez nem para morar, mas para alugar... cada um deve fazer sua estratégia. O importante é comprar em baixa e o momento é de baixa com o primeiro indicativo de pressão futura recente de alta: a volta da compra de estrangeiros.

E quanto as perspectivas de 2016-2018? Gente, quem lê o jornal hoje, com essa impressão de caos econômico, talvez ria ou se espante a partir de 2016. Não houve desastre. Uma chuvinha no país todo e a questão energética arrefeceu. Observem. Não está controlada, sem risco, mas arrefeceu bem. O Brasil não vai acabar. A petrobrás não vai acabar (a não ser que os árabes desçam o valor do petróleo para abaixo de 47 dólares por muito tempo, o que não parece que ocorrerá, apesar de terem feito essa ameaça para diminuir a produção de petróleo não convencionla nos EUA, o que de fato já ocorre).
Mas mais do que isso, há previsão de que a partir de 2016 a economia mundial vá melhorar. Inclusive a própria Europa está adotando medidas menos austeras, como a liberação de 1,1 trilhão de euros para circular na economia e acenam com possibilidade de conversa com a Grécia que quer menos austeridade. A França não foi tão austera e não cortou tanto no social. China e Índia continuarão crescendo bem ano que vem, segundo o investidor americano Mark Mobius. E Mark prevê aumento de commodities.

Gente, aumentou petróleo e minério de ferro e soja... o Brasil arrebenta. Economia internacional em alta, e com medidas de controle fiscal no Brasil.. isso tem potencial de crescimento econômico interessante, aumento de bolsa e tal.. fiquem atentos. Não invistam em ações ou imóveis vendo só o que ocorre hoje.  Vendo só o que ocorre hoje parece que não é interessante comprar imóvel e nem ações. Mas o horizonte a partir de 2016 está se configurando como mais positivo do que talvez se imagine.

Mas nunca invista o que não tem e nem valores que você não possa perder, pelo amor de Deus. Esse Blog é para pessoas físicas que não são investidores profissionais e nem investidores de risco. Informamos para as pessoas se anteciparem e acordarem para ver algo um pouco mais à frente do que é publicado na grande mídia.  

Quem hoje prega o caos econômico do Brasil, ficará sem entender o que talvez ocorra entre 2016 e 2018. Quem ficar questionando o horizonte desses três anos pode se posicionar melhor sobre o que fazer. É o que tentamos fazer sempre. Aconselho a leitura do livro " O Tao de Warren Buffet". Warren Buffet, um dos mais responsáveis investidores mundiais e sempre entre os três mais ricos do mundo é adepto de investir em ações que tenham potencial de se valorizar em 20 anos e não em fazer compra e venda de ações intraday. Mas toda estratégia é válida, desde que você assuma os respectivos riscos. Ele ensina a você ficar atento a tendências e ao horizonte mais longo. Com nossos limites, o seguimos.

Importante salientar que o objetivo do Blog Perspectiva Crítica, na área econômica, é informar o melhor possível, tendo como objetivo suscitar questionamentos e crítica sobre a realidade para que o leitor possa amadurecer suas perspectivas pessoais sobre o mercado. Partimos do pressuposto de que  investidores profissionais erram seus investimentos e que todo investimento apresenta risco. Portanto, a melhor estratégia é sempre poupar, não comprar na alta, comprar dentro de movimentos de baixa, devendo sempre estar atento a movimentos de reversão de expectativas e de tendências de alta e de baixa. Hoje, o crescimento da economia mundial, aguardado para 2016-2018, se de fato ocorrer, o que parece crível, fará reverterem valores para a Bolsa de Valores.  E, hoje, o mercado imobiliário está em baixa, mas a previsão do investimento de estrangeiros pode vir a ser em 2016, uma pressão de contenção do movimento de baixa do valor dos imóveis no Brasil. Isso o que nos cabe ponderar. Movimentações patrimoniais de cada um depende de sua própria responsabilidade e capacidade em obter mais informações e adotar sua própria estratégia de investimentos.

Importante sublinhar que a tendência atual é de baixa, que já há uma queda média de 30% nos valores, um pouco mais ou menos dependendo do local, e que sem a vinda de investimentos de estrangeiros a tendência seria de continuação de queda até um teto de 50%, aparentemente, em função de opinião de uma consultoria americana publicada em 2012 que apontava essa a medida do sobrevalor de imóveis no Brasil após valorização de 2008 até 2012. Sem a confirmação desses investimentos, a tendência continuaria de queda por falta de poupança e capacidade financeira interna e alto endividamento médio das famílias brasileiras, aliado ao aumento de juros para financiamento da casa própria acima de 500 mil reais. E qual a medida do repique de valorização ocorreria se os estrangeiros viessem? Menor do que já ocorreu entre 2008 e 2012, eis que não há valores internos para correr atrás desse repique e criar demanda que sustente um eventual repique.

Mas para investimentos os gringos podem se dar bem, pois pegarão imóveis em tendência de baixa , necessidade financeira de construtoras e apresentarão altos valores, como sempre, para pechinchar. Isso é bom para as construtoras em parte, mas para cidadãos é ruim, pois estanca, como Dilma fez antes, ao aumentar limite de financiamento de 500 mil para 750 mil, o movimento de baixa que nos beneficiaria mais. E daqui a pouco teremos brasileiros morando no Brasil pagando aluguel a estrangeiros... ossos da abertura de capital e estoque de capital alto do primeiro mundo contra nosso tardio enriquecimento. A ver.

sexta-feira, 6 de fevereiro de 2015

Acusação de propinas em 200 milhões de reais. O PT acabou?

Gente, a manchete de hoje (06/02/2015) do Jornal O Globo "PT obteve até 200 milhões em propina", como declaração do Gerente da Petrobrás Barusco é realmente um marco. Marco da falência da imagem de um partido. Marco que traz à tona muitas consequências, desde que tratemos que essa acusação seja provada na Justiça.

Se essa acusação ficar provada na Justiça, senhores, ao meu ver fica consolidada uma hipótese comentada pelo excelente jornalista Elio Gaspari (nunca discordei de artigos dele), em seu artigo publicado recentemente e intitulado "Há dez anos, o juiz Moro disse tudo": como na operação mãos limpas, na Itália, que resultou na prisão de 875 empresários e 438 parlamentares e investigou 6 mil pessoas, tendo expedido mandado de prisão a 3 mil investigados e acusados, os dois maiores partidos italianos se dissolveram, pode ser que aqui a operação lava-jato gere a dissolução do PT, e talvez até, dependendo de a quem chegue esta operação, do PSDB e PMDB. Palavras de Elio Gaspari. Acesse a íntegra do artigo em http://oglobo.globo.com/opiniao/ha-dez-anos-juiz-moro-disse-tudo-14891717?topico=elio-gaspari

A dissolução do PSDB e do PMDB, por características próprias do país, pelo PSDB ser a principal oposição e o PMDB estar muito espraiado em todas as cidades do País, fica difícil de ver, ainda. Mas a dissolução do PT começa sai do mundo do impossível para entrar no mundo das possibilidades. Pouco provável ainda, mas já começamos a achar possível, em concordância com o artigo mencionado do Elio Gaspari.

Os números da corrupção na Petrobrás estão apavorantes: um gerente declara que obteve 100 milhões de reais em propina, um Diretor devolve outros 100 milhões, declaração de que o PT recebeu 200 milhões em propina e que tudo era descontado de contratos de obras e prestações de serviços, prejuízo à estatal avaliado em torno de 88 bilhões por órgão interno da Petrobrás.

Vários fatos estão fechando um quebra-cabeças que mesmo para quem apóia os programas sociais, política econômica e vários atos de governo, fica difícil não vislumbrar um baque e a deslegitimação da sigla histórica do PT. O prejuízo à imagem e credibilidade do partido é grave.

Enquanto os atos eram de crimes de pessoas, va lá, que fossem presos. Mas se houver a comprovação das denúncias de que o Partido do Trabalhadores era beneficiário de toda a coirrupção engendrada e executada na Petrobrás, ficará a comprovação de que o Partido é sim uma organização criminosa. Nem todos os que o integram são criminosos, claro, nem filiados, nem políticos honestos.. todos esses seriam vítimas de uma cúpula e de um grupo considerável de políticos e partidários importantes do Partido e deverão sair da legenda e/ou desfiliarem-se, como vários já assim o fizeram como Erundina, do PSB paulista, e quase todos do PSOL.

E esses fatos começam a fazer o brasileiro, mesmo o que apóia Dilma, pensar algumas coisas: a
suspensão de continuidade de duas obras de refinarias de petróleo (PREMIUM) no Nordeste com comentários de inviabilidade do negócio.. como pode? Ou o negócio era bom ou não era para se fazer uma aplicação para suas construções. Será que era bom para roubar? As justificativas para sua construção eram boas e nós apoiamos no Blog, inclusive, mas não se parou de construir em virtude de mero ajuste de contas da Petrobrás diante dos prejuízos e da queda do valor do petróleo, o que seria compreensível. Foi justificado que era inviável o negócio. Se isso é verdade, é um absurdo e uma demonstração de incapacidade de verificar viabilidade dos negócios que a Petrobrás faz. O de Pasadena deu prejuízo, mas as justificativas da realização do investimento foram boas à época e a justificativa de não informação adequada sobre duas cláusulas graves no contrato de compra da refinaria isola a incompetência na Diretoria respectiva, e seu Diretor.

Mas, veja, o problema é que depois que uma acusação dessas, de benefício direto em 200 milhões de reais pelo Partido da Presidente em propinas nos contratos efetuados pela Petrobrás, qualquer coisa que seja prejuízo, mesmo que seja derivado de risco natural de negócios, será alvo de suspeita de fraude, suspeita de corrupção e de instrumento de propina... e não sem razão. Isso prejudica a imagem da empresa e prejudica a imagem do governo, sem dizer que acaba com a imagem do PT como legenda séria da política brasileira.

E outras obras do governo começam a ficar sib suspeita. Por exemplo, o trem-bala. A construção da linha do Rio de Janeiro a Campinas começou orçada a menos de 30 bilhõe sde reias, aumentou para 30 bilhões de reais e chegou a 50 bilhões de reais e até a 55 bilhões de reias. Tudo bem, não é só construção da linha e de trens, mas transferência de tecnologia, mas isso aumentou porque houve recálculo de custos ou porque deveria ser pago algo ao PT? E o mesmo pode ser feito a qualquer obra: hidrelétrica, rodovias, tudo. A suspeita paira sobre tudo. Não quer dizer que tenha ocorrido corrupção em tudo isso, mas se na Petrobrás pode, e nesses valores gigantescos, por que não pode nas outras obras, estatais, etc? Muito grave.

Essa falta de legitimidade pode sim fazer o PT esvaziar-se e sumir. Aliás, nessa eleição vários políticos de envergadura do PT não foram eleitos: Eduardo Suplicy, Jorge Bittar.. isso não é culpa deles que são conhecidos por serem íntegros. A culpa é da mancha no partido PT e de sua crescente deslegitimidade diante de tanta denúncia formal e informal de benefício do partido em propinas.

E aí perguntamos: se ficar comprovado que o PT levou propina da Petrobrás nos anos antecedentes ao último pleito presidencial em que a Dilma foi reeleita, e no valor astronômico de 200 milhões de reais, apesar de as contas do PT para essa última eleição terem sido aprovadas, não fica provado que houve dinheiro de propina para reeleger o candidato do partido que se locupletou de propinas à custa de dinheiro público? Isso não é fato novo que pode reabrir a aprovação de contas e talvez gerar a cassação do diploma da Dilma? Sim.

Por que vejam, enquanto não chegar corrupção à Dilma, não há impeachment. Mas se se conseguir fazer esse link entre propina em grandes somas e contas do Partido dos Trabalhadores e financiamento da campanha de Dilma, aí, meu amigos, o dilploma pode ser cassado porque não dá para um candidato concorrer com dinheiro público objeto de propina. E talvez aí pode haver até, a se avaliar, a possibilidade de pretender um impeachment indireto... parece forçado e simplesmente faria com que o Vice- Presidente, também beneficiado pelo financiamento da campanha da presidente. Mas a cassação da candidatura e dos diplomas... enfim.. isso se apresenta possível.

Mas tudo isso, e dái esse artigo, demonstra que uma caixa de pandora pode ter sido aberta e ela pode vir realmente a engolir a legitimidade do PT.. e nesse caso, confirmando-se tudo isso, podemos sim estar diante de um marco do fim do PT, a exemplo do fim dos dois principais partidos da Itália após a operço mãos limpas. E se isso acontecer, poderá haver respingos no PSDB e no PMDB...

A ver.

O Blog continuará apoiando atos de governo que sejam bons e eficientes a realizar um Brasil mais igualitário, com crescimento de renda do trabalhador e inserção autônoma do país no mundo, mas o desgaste do PT e eventual confirmação de todas essas denúncias pode prejudicar apoio do governo no Congresso para seus projetos... e talvez a oposição consiga influenciar mais fortemente o governo e seus projetos..acompanharemos o desenrolar desses fatos graves. Que todos os culpados paguem, inclusive partidos políticos.   

p.s.: É muito importante que o leitor do blog Perspectiva Crítica, ao contrário do mar de desinformados pela grande mídia, consigam fazer a diferença nesses momentos de gravidade de fatos aliados à histeria coletiva da oposição e da grande mídia (não sem razão): Dilma e governo são diferentes de Partido do PT e atos bons de governo não se maculam por conta de crimes cometidos por partidários do partido que está no governo. Da mesma forma, manchetes de jornal não destituem o primado da presunção de inocência nem substituem Juízes, promotores e o devido processo legal. Quem fizer essa diferença está enquandrado entre 0,0001% da população brasileira de letrados e cidadãos conscientes de alto nível, segundo a perspectiva deste Blog Social.        

segunda-feira, 2 de fevereiro de 2015

Sobre o aumento da dívida pública líquida de 33% para 36,7% em dez de 2014

 O post script do último artigo sobre análise econômica de janeiro de 2015 ficou bom e para facilitar o acesso de todos ao tema e às informações sobre o recém publicado aumento da dívida líquida, resolvemos transcrevê-lo na forma de artigo. Aí vai, então.

Transcrição do P.s. de 01/02/2015 no artigo "Análise Econômica de Janiero de 2015":

"Nos jornais de ontem (31/01) e anteontem foi publicado um fato novo grave: a dívida líquida pública evoluiu de 33% para 36,7% no fim de 2014. Sim, não é boa a notícia. O aumento de 11% da dívida pública demonstra que ajustes devem ser procedidos, como estão sendo desenhados por Levy, entretanto, senhoras e senhores, não é catastrófico como publicado e muito menos irreversível. Os últimos 4 anos, no primeiro governo Dilma, foram anos em que as políticas de proteção ao emprego e de indução ao crescimento da economia através de ações de governo (subsídios, contabilidade governamental criativa, etc) se apresentaram em diversas formas criativas de tentativas que buscavam limites. Se tudo tivesse dado certo, ninguém estaria reclamando e poderia talvez se visse tudo de forma diferente. EUA e Europa têm políticas de subsídios bilionários em suas economias e todos os apontam como exemplos.. Por que não es estuda a diferença entre o que foi feito aqui e o que é feito lá em termos de subsídios governamentais? Mas do jeito que as coisas foram ficará pendente uma dúvida: a crise hídrica, a operação lava-jato e a queda do preço do petróleo, se não ocorressem, teriam dado chance ao modelo de criatividade contábil e subsídios e desonerações (pushing to the limits) do governo dar certo ou simplesmente adiaria a desgraça que se abateu nas contas públicas e na economia? O fato é que, assim como os  planos monetários que não deram certo antes do real, ao menos as tentativas foram por uma implantação de política brasileira feita por brasileiros para brasileiros, diferente do que ocorreu na Argentina com Menem e que deu no que deu.. lá foi seguido à risca determinações do FMI e o país quebrou. Importante ainda salientar que esse aumento de 10% da dívida pública foi menos eficiente do que os acréscimos de gastos público nos dois governos petistas anteriores, mas o mercado internacional ajudou antes e não ajuda agora. A verade é que todas essas políticas desenvolvimentistas mantiveram emprego e giro econômico no país, enquanto a Europa e EUA tiveram recessão e desemprego. Importante essa noção. E se nossa dívida pública cresceu dez por cento agora, quanto cresceu a européia e americana na crise? Eu respondo: 100%. Está aí a diferença que a grande mídia não publica. Mas algo tem que ser feito para reverter isso. E está (sendo feito)."

Há vários alardes publicados pela grande mídia sem foco na realidade que nos cerca. É claro que entendemos que o que não deu certo na política econômica implementada nos últimos 4 anos deva ser publicado e informado. Entendemos,ainda, que oportunidades para demonstrar que muitas posturas adotadas pela Dilma são a evidência de que muitas das críticas da oposição e da mídia terminarmam se demonstrando com fundamento e devem sere exploradas pela grtande mídia e oposição... mas o que não está sendo dito, e nesse ponto nos rebelamos contra a grande mídia, é o que ocorreu com as opções do governo: mantiveram-se empregos, alta de renda e algum crescimento econômico ao custo dfe um aumento de dívida público bem abaixo do que europeus e americanos tiveram para, mesmo assim, entregar às suas sociedades recessão, desemprego altíssimo e queda de renda de seus trabalhadores e aumento da pobreza!!!

Entre 2010 e 2011 na Inglaterra era declarado que a desigualdade social não atingia os níveis daquelesl anos desde o século XIX.. corroborando o que Thomas Piketty publica em seus livros que o sistema financeirto e tributário que existe tende a recirar os abismos sociais do século XIX. Tudo que vemos publicado protege a inflação baixa. Ponto. Pura e simplesmnete. E o que significa a defesa pura e exclusiva da inflação? Melhor perguntando: o que significa a defesa de índices baixos da inflação dissociada da defesa do emprego e do crescimento econômcio e da alta da renda para o trabalhador? Significa, ao contrário do que dizem que é a defesa da econmia dos pobres, a defesa do patrimônio dos ricos. Nada contra, mas não pode ser feito dissociado da defesa do interesse dos pobres e da diminuição da desigualdade social, conitnuidade de política de aumento da renda per capita e adoção de medidas para defesa do crescimento econômico.

A grande mídia e a oposição estão corretos em marcar posição, denunciar erros e conseguir créditos para suas teses.. isso é democracdia, mas não contam a verdade sobre o que foi mantido de bom efeito na economia e para os trabalhadores e a econoia como um todo, mesmo com todos os erros que agora se corrigem, se comparado ao que ocorreu e ocorre nos EUA e Europa.

A questão da "austeridade à toda prova" tanto não está dando perfeitamente certo na Europa que as demandas gregas por calote de sua dívida estão fazendo a Europa repensar como fazer a econmia melhorar sem tanto prejuízo à vida dos cidadãos e a última medida que está sendo qustonada na Europa é a dissoluçlão da Troika!!! Isso significa a dissolução da trinca FMI-Banco Central Europeu-Comissão Europeía, abirndo margem para a discussão de alívios na condução da economia na Europa, reconhecndo que a pura austeridade não está resultando em melhoria econômica e muito menos social.

Por conta dessa nova perspectiva na Europa, foi determinada aliberação de 1,1 trilhão de euros na economia européia no ano de 2015 e se discute alongamento das dívidas e diminuição de juros para as dívidas dos países mais endividados da Europa, incluindo a Grécia.

Isso dá dimensão mais exata do que foi feito no Brasil, do que vivemos em função das medidas anticíclicas tomadas, mesmo que à beira de um pequeno exagero e algumas tentativas e experimentações fiscais e contratuais, mas que resultou no fato de não ter ocorrido recessão no Brasil desde 2008, termos mantido taxas baixas de desemprego e auemnto de renda percapita durante todo esse período.

É importante dar esse contraponto lamentavelmente sonegado da sociedade pela grande mídia sem nenhuma cerimônia.   

O risco de um calote de dívidas do Brasil: veja as listas da consultoria americana CMA

Não conseguimos, ainda, a lista atualizada. Essa lista de países mais propensos ao calote e menos propensos ao calote é realizada trimestralmente pela Consultoria Americana CMA.

Em 2013, a informação publicana na Revista Exame é de que na Lista dos 68 países melhor colocados neste ranking, o Brasil estava em 33º, à frente da França e atrás da Rússia. Nesta mesma reportagem, os primeiros mais seguros eram Suécia, Noruega, Finlândia e Dinamarca, seguido dos EUA, Reino Unido e Alemanha.

Vejam vocês mesmos em http://exame.abril.com.br/mercados/noticias/os-10-paises-mais-proximos-e-os-mais-distantes-de-um-calote/lista