terça-feira, 21 de abril de 2015

Por que nos EUA a vida é mais fácil do que no Brasil?

Pessoal, achei um vídeo excelente e até clássico com a comparação direta do custo de cesta básica brasileira em comparação ao salário mínimo no Brasil e EUA. Claro que a comparação direta tem inúmeros equívocos, mas tomamos o vídeo na forma como ele se propõe, ou seja, na comparação direta que ele propõe de que, à época, a cesta básica do Dieese no Brasil valia 350 reais para um salário mínimo de 622 reais e a mesma cesta básica nos EUA valia 125 dólares para 1400 dólares de salário mínimo em média nos EUA. Conclusão do repórter brasileiro, morador dos EUA e preocupado com o nosso nível de vida: "viver nos EUA é mais fácil do que viver no Brasil". E ele pergunta: "Por que isso, gente? Tem alguma coisa errada. Não me digam que não tem algo errado aí, no Brasil. E o que é?" (citação livre minha para as palavras do nosso amigo brasileiro morador dos EUA).

O tema é excelente. Excelente mesmo. Esse rapaz deu um gancho fantástico para a análise que faremos abaixo e que é meramente a resposta que demos a ele em comentário a seu vídeo.

Primeiro, acessem o vídeo que critico ou, na verdade, comento em https://www.youtube.com/watch?v=ouMKPzJpncQ

Veja agora minha resposta:

"Primeiramente, parabenizo o rapaz pela preocupação com o Brasil, nosso país. A comparação direta entre o custo da mesma cesta básica no Brasil e nos EUA dessa forma direta com o salário mínimo norte-americano não deixa de ser interessante, claro. E tudo o que induz a criticarmos a realidade brasileira e como podemos fazer para melhorá-la é, a meu ver, bom para o País. Mas há somente um pequeno grande equívoco que todas essas comparações imediatas não consideram: as causas da formação da diferença, as quais têm questões imediatas e mediatas ou históricas e geo-políticas. Aí o grande erro. Mas vamos aproveitar o que o vídeo traz de bom.

Observem. De forma imediata podemos dizer que a lata de guaraná que foi para os EUA foi com grande desconto por compra gigante de grandes redes americanas de supermercados, mais eventual desconto em taxas de exportação para incentivo da exportação brasileira, menos a incidência de tributação brasileira e incidente a muito menor tributação de consumo americana. Isso mostra que devemos fazer uma reforma tributária. Conclusão boa. Mas o leite americano está a metade do preço que deveria estar, pois nos EUA há grande subsídio do leite; subsídios esses que já foram condenados pela OMC em favor do Brasil, por exemplo, e que deturpam a inflação e o peso da compra no bolso do americano. No Brasil o preço do leite é verdadeiro. A comparação fica pior, mas vale pergunta: em que medida vale a pena subsidiar preços na economia nacional? Qual o custo disso para o Erário americano e qual a vantagem para o povo americano em bem-estar e autonomia produtiva de uma cadeia industrial de alimentos para americanos? Isso seria aplicável e favorável a algo no Brasil, como ocorreu com a gasolina? Boas perguntas.. Não dei respostas.

De forma indireta, mediata e histórica, devemos considerar que os EUA têm um pib de 16 trilhões de dólares e uma renda média de 58 mil dólares, o que os habilita a ter um salário mínimo médio de 1.400 dólares como disse o nosso amigo do vídeo. O Brasil tem pib de 2,5 trilhões de dólares, renda média de 13 mil dólares e, razoável para nossa economia, salário mínimo de 622 reais, á época do vídeo. Hoje, em abril de 2015 já está em 770 reais. É diferente, pois o custo da produção da comida não é tão diferente nos EUA e no Brasil e o preço de commodities agrícolas também é internacionalizado, mas a tributação é e o custo de logística do Brasil também é pior, pois ainda temos uma economia menos eficiente e menos rica que a dos EUA. Mas veja que o preço final da cesta em valor de moeda é semelhante para a época da pesquisa: 360 reais no Brasil e 125 dólares nos EUA, ou 250 reais no Brasil, mais ou menos. Voltamos à questão da reforma tributária e de exigência de brasileiros por melhorias na logística de nossa produção. Isso melhoraria a correlação de preço direto entre cesta básica e salário mínimo brasileiro.

Mas o repórter não notou que ter política de valorização de salário mínimo também diminui essa correlação e em 2002 o salário mínimo brasileiro era 60 dólares e hoje são de 300 dólares. E isso sem desestabilizar a economia, pelo contrário, aumentando-a. Então, vemos que ter política para aumentar o salário mínimo é outra medida importante para colocar o Brasil em situação mais semelhante aos EUA no quesito de proporção cesta básica em relação ao salário mínimo.

Por fim, a situação americana é diferente da do Brasil por razões também históricas e geo-políticas. A economia americana cresceu especialmente durante as duas guerras mundiais pois era fornecedor direto dos europeus em guerra. O parque industrial dos EUA cresceu exponencialmente e o investimento em sua economia por europeus também, já que não podiam investir e produzir na Europa em guerra. Nós no Brasil não tivemos essa alavanca econômica de base histórica e geopolítica. E depois da guerra ficou selada uma aliança geopolítica e econômica entre Europa-EUA-Japão, criando um cinturão de riqueza em que há grande liberdade de fluxo de capitais entre eles, gerando grande oferta de capital em suas economias, baixando o custo do capital, daí taxas de financiamento bancário muito mais baixas do que as praticadas no Brasil, facilitando compra de casa própria, carros e tal.

Durante décadas após a guerra, o FMI e Banco Mundial, que foram criados sob o pretexto de ajudar o avanço da modernidade e das economias no Globo, na verdade foram grandes instrumentos de exportação de serviços, bens e indústrias européias, americanas e japonesas e essa expansão comercial e econômica, mesmo que acabando com as indústrias incipientes locais dos países pobres e médios por onde chegou, angariou muita renda para estes países trilaterais, mais uma vez, aumentando a riqueza de suas nações, a oferta de capital em suas sociedade, e mantendo, portanto, baixos juros para empréstimos, alto pib e alta renda per capita. Diferente com o que ocorreu aqui no Brasil, pois fomos um dos que tomaram empréstimos do FMI e, portanto, fomos um dos que enriqueceram EUA, Europa e Japão, e não tivemos, ainda, expansão comercial econômica para reverter esse processo, mas muita coisa melhorou e vai melhorar com o Banco dos Brics, que fará para nós, China, Índia, Russia e Africa do Sul, o que o FMI fez para Europa-EUA-Japão, sem intervir nas economias dos países tomadores de empréstimos nossos, claro. Mas enquanto isso não é feito, percebam, há um sistema internacional que gera um dreno de valores para as nações ricas, por competência econômica e política delas, e prejudicam os países médios e pobres, por incompetência política e econômica nossa. A reversão disso não pode se dar somente por mera abertura comercial, pois EUA-Europa-Japão só querem abrir os setores em que são fortes e não abrir o mercado deles ao que nossa economia é forte e, assim, poderia levar à queda de alguns setores nacionais lá. A inserção internacional do Brasil deve ser autônoma.

Assim, aproveitando o que se pode deste vídeo, com todo o respeito, e partindo para a resposta de o que está errado, digo: precisamos de reforma tributária, políticas de valorização do salário mínimo e de melhoria de prestação de serviços públicos, pois gera economia ao cidadão e garante serviço pelo imposto pago. Precisamos também de investimentos fortes na área de logística e infraestrutura, e precisamos incentivar a produção, crescimento econômico e exportação de nossos serviços e indústrias para que mais empregos, salários e riqueza integrem nossa economia e aumente a oferta de capital em nossa economia, para que as taxas de juros básica e de mercado baixem. Tudo isso geraria a nossa aproximação ao nível de vida americano.. e de forma autônoma e brasileira e não subserviente e dependente dos americanos ou europeus.

Parabéns ao repórter pelo trabalho e por levantar a questão! A forma como fez o vídeo não me pareceu meramente americanófila ou papagaio-de-pirata. Esse vídeo me deu a impressão de um brasileiro ver que lá aparentemente está melhor e querer que aqui fique igual. Muito bom. É desejo legítimo que nós do Blog Perspectiva Crítica pretendemos ajudar a tornar concreto.

Acessem: www.perspectivacritica.com.br e pesquisem por corrupção, administração pública, economia, bolha imobiliária, economia, serviço público, carga tributária e vocês, juntamente com nosso repórter desse vídeo, terão muitas idéias interessantes sobre o Brasil e, quiçá, muitas respostas.

Abraços brasileiros,

Mário César Pacheco"

Isso é uma interlocução positiva, pessoal. Brasileiros lá e aqui querendo entender. Se todos tiverem comprometimento com o País e boa-fé em suas intervenções, nós podemos, sim, viver como alemães, franceses e suecos. Não como americanos, me desculpem, porque não quero psicopatas em nossa sociedade criados pela persecução dos parâmetros winner-loser e nem licença maternidade de três meses sem salário; muito menos um sistema de saúde que abandona pobres, miseráveis e desempregados. 

Grande abraço.

p.s.: sobre o parâmetro winner-loser, procura o artigo do Blog intitulado "Parâmetros sócio-culturais comportamentais brasileiros e americanos".

p.s de 22/04/2015 - O que mais pode nos aproximar do tipo de vida nos EUA? Não dá para ser detalhado aqui, mas pelos nossos estudos e análises, as medidas são: (a) a continuidade de política de valorização de salário mínimo, dentro de parâmetros sustentáveis, (b) estudo, desenvolvimento e execução de políticas sustentáveis de subsídios à produção de vários setores no Brasil, comparando com os subsídios de mais de 300 bilhões de dólares que são executados na Europa, EUA e Japão, (c) regulamentação do imposto sobre grandes fortunas ou aumento do imposto sobre heranças (aqui é de 4%) para nos aproximar do que ocorre nos EUA (até 77%) e na Europa (Alemanha pratica 40%) como incentivo ao mercado de seguros de vida e criação de fundações por multimilionários no Brasil, como ocorre nos EUA. Por multimilionários como Bill Gates terem de recolher 77% de sua herança para o Fisco Americano, ele, como todos os milionários americanos, fazem seguro de vida no valor do que pagarão de imposto para que suas famílias recebam do seguro o dinehiro que o Fisco tomará da herança. E eles também criam fundações, cujo valor não vai para o Fisco, e ao mesmo tempo em que criam uma "empresa" da qual seus parentes retirarão pro-labores, giram a economia com uma fundação exercendo atividade produtiva em sociedade. O IGF no Brasil pode tirar o dinheiro do mutilionário do banco para fazer girar a econmia sem prejudicar o patrimônio do multimilionário ou seus familiares. Ainda deve se verificar (d) a relação existente entre carga tributária dos países da OCDE em relação aos serviços públicos disponíveis às suas populações, para vermos o que os cidadãos europeus e americanos economizam por terem como serviço público rpestado, (e) deve haver estudo sobre a comparação entre custo de serviço público de saúde e o PIB alemão e brasileiro, custos de serviço público de educação entre europeus, americanos e brasileiros, bem como (f) análise de custo/benefício de todas as atividades públicas para a economia e para a sociedade, sempre comparando com Europeus, americanos e o Brasil. Se isso fosse feito, veríamos que todos os ricos têm mais servidores públicos por habitante do que o Brasil, o que torna o governo e o serviço público mais eficiente, beneficiando o mercado de trabalho, a produção, aliviando custos da vida do cidadão (como plano de saúde e escola) e ainda criando um ambiente de negócios melhor para as empresas. 

p.s. 2 de 22/04/2015 - Texto revisado e corrigido, inclusive o transcrito e o post script acima. 

segunda-feira, 20 de abril de 2015

FHC e Blog Perspectiva Crítica coincidem sobre impeachment de Dilma e maioridade penal

No 14º Fórum de Comandatuba, realizado na Bahia, Fernando Henrique Cardoso tece as mesmas considerações já apresentadas por esse Blog à sociedade: Não pode haver impeachment sem fato objetivo; e não há contra a Dilma, ainda.

É evidente que sem prova de crime de responsabildaide, sem condenação judicial, sem sequer inquérito sobre tais temas contr a Dilma não é possível pedir-se impeachment, pois não se pode destituir um presidente da República com base em manchetes de jornal ou com base no desgosto de uma parcela da população em ver a Dilma como Presidente do País.

O cargo de Presidente da República não é para ser preenchido consoante a moda do momento, ou a capanhas de difamação da pessoa do Presidente, ou por campanhas partidárias contra o governo. Senão, todo presidente seria passível de deposição pelas mais distintas razões e sua figura seria meramente decorativa.

Nõa se pode imaginar que a "consciência coletiva" legitime ou não a manutenção de um presidente simplesmente porque não existe a instituição da "consciência coletiva". Quem seriam os organizadores do consenso dessa consciÊncia coletiva? Naturalmente seriam os meios de comunicação de massa!

É importante você perceber isso... naõ se pode transferir o poder do voto, exercido soberanamente por todo cidadão brasileiro na hora do voto e da escolha do Presidente, para um amálgama amorfo e abstrato chamdo "consciência coletiva". Ninguém pode se arvorar o diretor da Consciência Coletiva.

Então Fernando Henrique fez bem e acrescentou sua biografia, além de ter contribuído para a ordem institucional e para a democracia verdadeira.

E igualmente se posicionou contra a diminuição da maioridade penal co ótiumo argumento: se hoje pegam meninos de 16 anos por causa daq maioridade de 18 anos, passarão a pegar meninos de 14 e 13, a partir da definição de maioridade de 16 anos. Isso não resolve.

Então, o Blog Perspectiva Crítica e Fernando Henrique Cardoso estão juntos nesses dois temas: impeachmente de Dilma, somente com fato objetivo e maioridade penal não deve ser diminuída.

Acesse o artigo sobre FHC em Comandatuba em http://oglobo.globo.com/brasil/contrariando-lideres-tucanos-fh-diz-que-pedido-de-impeachment-de-dilma-precipitado-15923084

Como sempre, aqui você está mais bem informado. E sabe das melhores posições e perspectivas sobre o prisma do cidadão antes.

quinta-feira, 16 de abril de 2015

Projeto 4330 da Terceirização finalmente sob ataque

Após o crime perpetrado contra todos os cidadãos de nosso país, com a apresentação do Projeto 4330 por um Deputado do PMDB e com a colocação do Projeto em pauta para votação pelo Presidente da Câmara dos Deputados, o Deputado também do PMDB Eduardo Cunha, que também responde a inquérito no STF sobre o Petrolão, e com sua aprovação efetuada por em torno de 350 parlamentares contra em torno de 150 Deputados Federais que defenderam todos os trabalhadores do Páis em momento crasso e grave da República, finalmente o projeto está sob ataque. Ataque dos parlamentares e da sociedade e e sob holofotes da grande mídia que inicialmente apoiou a terceirização, mas que agora fica neutra já que a sociedade, através da Rede Social (Blogs, mensagens, tudo por celulares e pela internet), começa a entender que está sendo atacada por 350 parlamentares da Câmara dos Deputados e pelos lobbies empresariais.

Ser ignorante é mais fácil, mas cria grandes prejuízos... chama a atenção deste Blog que, apesar de a Miriam Leitão ter publicado na edição desta segunda-feira que os movimentos contra o governo esvaziados não significam que foram criados ilegitimamentes, que não houve conspiração, que não houve invenção da mídia e, acrescentamos, nem influêcia estrangeira, o maior crime a ser perpetrado contra todos os direitos trabalhistas e previdenciários do brasileiro tenha tindo tramitação de urgência justamente neste período de manifestações... entrre 08 de abril e durante este mês de movimentações pró e contra o governo com pedidos de impeachment. Com muita publicidade de desmandos na Petrobrás e corrupção no governo... mas pouca publicação sobre um projeto essencial que acabaria com a CLT, na prática.

Enquanto o povo ia  às ruas, a mídia não publicava essa tramitação criminosa e à noite a Câmara dos Deputados aprovou por extensa maioria, o fim do emprego do brasileiro, seja na área privada, seja na área pública. Interessante.

Agora, que os brasileiros começam a ver que estão sendo atacados, antes que viremos EUA ou China, começaram os movimentos em defesa do emprego e contra esta pseudo-regulamentação da terceirização. Deputados dizem que votaram enganados, Senadores vociferam contra o Projeto e emendas pululam para criar exceções à aplicação da futura Lei de "Regulamentação da Terceirização".. água entra finalmente no navio da Terceirização..

Navio-pitrata.. bom que si diga, pois ele se apresenta como regulamentador da terceirização mas o objetivo é a extinção da relação de emprego. Nós falamos primeiro, como sempre. Agora vêem o que nós já havíamos dito. Não é porque vemos algo que a grande mídia não vê, gente.. é porque temos compromisso com você e não com emrpesas e bancos e com projeto de Estado Mínimo ao custo da qualidade de vida do cidadão... é simples. Nós falamos a verdade. E falamos a verdade sob a perspectiva do cidadão. É diferente do que a grande míida de mercado faz.

Criam agora, os Senadores, exceções de aplicação para as estatais, para professores públicos, mas admitindo a terceirização de médicos que já existe em grande escala, inclusive através do Programa Mais Médicos... Nada disso é suficiente. Mas, sim, é um indicativo. tanta exceção demonstra que o projeto é ruim para a sociedade. Esse projeto deve ser extinto!!!

Esse projeto é um engôdo da sociedade. Ele é uma mentira. A Regulamentação de Terceirização deveria ser feita como foi feito o Corpus Iuris Civilis, uma mera compilação de enunciados jurisprudenciais e de leis, organizadas para terem um corpo. Deveriam ser organizadas regras sobre terceirização e colocadas em uma única lei. Isso seria regulamentar a tercerização. Mas não é isso que está sendo feito. O Projeto de Lei 4330 visa a acabar com leis e enunciados jurisprudenciais sobre o tema para desconstituir a relação de emprego! Que isso fique claro. Então deve ser extinto.

A Dilma, que é péssima em comunicar as benesses econômicas e sociais de seu governo, tem nesse momento um presente nas mõas para fazer as pazes com a sociedade. Todos os empregados brasileiros, todo cidadão está sendo atacado por esse projeto mentiroso de "regulamentação de Tercerização".  Se ela tomar a frente do movimento de extinçlão do projeto ou vetá-lo integralmente, demonstrará que o governo protege os cidadãos de todo o país. Tudo isso em apenas um movimento.

O Blog Perspectiva Crítica está do seu lado. Os 150 Deputados Federais que votaram contra o Projeto de Lei 4330 na Câmara dos Deputados estão do seu lado. Esses Deputados que votaram contra o Porjeto na Câmara são as pessoas de quem vocês não devem se esquecer para votar de novo, já que, sem qualquer cobertura da mídia, estiveram presentes até altas horas da noite para te defender!! Os 350 Deputados Federais que votaram a favor do projeto e o Presidente Eduardo Cunha do PMDB são inimigos do povo brasileiro. Você nãodeve se esquecer de que esses senhores tentaram acabar com todos os seus direito trabalhistas e previdenciários que transformariam você, seus filhos e netos em escravos chineses ou bolivianos ou mesmo americanos, sem assistência social, sem aposentadoria, sem férias, sem licença paternidade, sem licença maternidade e sem horas extras. Todo esse crime não teve cobertura da mídia de mercado e o projeto ainda foi enaltecido, as poucas vezes em que foi comentado por ela, como fantástico para o mercado de trabalho.

Fique atento a quem é seu verdadeiro amigo em sociedade. Fique atento para não perder direitos e qualidade de vida.. enquanto a mídia impulsionava o cidadão para bradar contra o governo e pedir impeachment daDilma, sem qualquer base objetiva, NÃO HOUVE COBERTURA PELA GRANDE MÍDIA DA TRAMITAÇAO DE PROJETO QUE EXTINGUIA NA PRÁTICA O EMPREGO DO BRASILEIRO, ASSIM COMO NÃO HOUVE INCENTIVO PARA QUE NOS MOVIMENTOS DE RUA TAMBÉM SE BRADASSE PELO AFASTAMENTO DE EDUARDO CUNHA E RENAN CALHEIROS DAS PRESIDÊNCIAS DA CÂMARA DOS DEPUTADOS E DO SENADO, RESPECTIVAMENTE, MESMO CONTRA ELES EXISTINDO OBJETIVAMENTE INQUÉRITO NO STF. POR QUÊ? Conspiração ou coincidência? Esquisito, não?

Bem, deixem a Miriam responder. Muitos fatos conincidentes que prejudicam o trabalhador e facilitam a tramitação deste Projeto 4330 nefasto... pode ter sido oportunismo dos maus parlamentares.. mas é incrível como votações em regime de urgência e até altas horas da noite nunca beneficiam o trabalhador..

Excluímos, até onde podemos constatar, como integrantes da grande mídia mais perniciosa os jornais A Folha de São Paulo, o Jornal do Commercio, o Le Monde Diplomatique e o Jornal Valor Econômico. Esses jornais apresentam vetores mais neutros em seus artigos e informes e um compromisso maior com a sociedade e com o cidadão brasileiro, atualmente. Atuamos e criticamos os demais para que algum dia passem a integrar a mídia de mercado positiva, que constrói, que seja parceira do cidadão e de seus direitos, tanto quanto já é parceira e defensora de direitos de emrpesas e bancos em nossa sociedade.

Queremos e construiremos a utopia. Com você, leitor. Grave os parlamentares que atacaram o brasileiro. Não se esqueça deles, pelo menos em seu Estado. Eles são criminosos que quiseram te condenar e à sua família à escravidão, assim como quiseram que empresas terceirizadas e a área privcada organizada (grandes empresas) e políticos se poderassem dos empregos privados e públicos em todo o País. A terceirização da atividade-fim seria o fim do emprego privado e público e o apoderamento de todos esses empregos em todo o país, que passariam a ser acessíveis somente por currículo, em que filhos de ricos, políticos, empresários e amigos de seus círculos pessoais e de negócios seriam sempre beneficiados ou por avaliação subjetiva ou por avaliação de formação: Harvard ganha de UFRJ, UFRJ ganha de faculdades particulares comuns, faculdades particulares caras e de alto nível ganham de faculdades particulares comuns.. e assim vai. Concurso é democrático e equipara filho de rico com filho de pobre, assim, com essa terceirizção acabariam os concurso públicos.

Qualquer político que falar o contrário disso é mentiroso ou burro. Sendo assim, não merece voltar ao cargo de parlamentar. Ele quer seu mal. Ele quer sua escravisão e de seus filhos e netos, amigos e parentes. Defenda-se! Informe-se por esta verdadeira agência de motícias a favor de seus interesses reais em sociedade! Seja leitor do Blog Perspectiva Crítica! Mobilize-se contra o Projeto 4330! Mande mensagem para o Senador de seu Estado. Que seja extinto o projeto!! Mande mensagem para a Presidência da República! Nõa deixe que novamente o STF fique com a incumbência de defendê-lo sozinho. E não se esqueça desta traição de 350 Deputados Federais e da Grande Mídia. Nos momentos graves é que vemos quem está do nosso lado e quem está contra nossos direitos e interesses.

segunda-feira, 13 de abril de 2015

Mercado, agora, baixa expectativa da Inflação do Brasil para 2015

Transformei em artigo o post script que foi efetuado no artigo econômico recente intitulado  "Curiosidade econômica da abril de 2015(...)". Vejam que após nosso artigo questionando como a inflação no Brasil poderia chegar a 8,2%, diante das diversas variáveis que pressionam a economia para baixo, o mercado apresenta sua baixa de expectativa.. confirme o modus operandi do mercado financeiro no Brasil que denunciamos e objetiva extorquir juros básicos do orçamento brasileiro. É assim que eles agem todos os anos.

Vejam uma análise da economia brasileira pelo FMI que está melhor do que o que se publica por aqui. Publicado no Valor Econômico. Acesse: http://www.valor.com.br/brasil/4001748/fmi-reduz-previsao-para-pib-do-brasil-mas-elogia-ajuste-fiscal

O artigo não diz, mas o FMI projeta inflação de 7% para o Brasil em 2015. Já nosso mercado que projetava 8,2% (rsrsrs) começou a baixar sua expectativa.. alguns dias após nosso artigo que já aponta que 8,2% de inflação este ano está difícil de acreditar.. acesse a alteração de expectativa de inflação pelo mercado, após nossa análise, em http://www.efe.com/efe/noticias/brasil/economia/mercado-financeiro-reduz-previs-infla-para-2015-brasil/3/2019/2585014

É uma grande palhaçada essa expectativa inflacionária pelo mercado no início de cada ano... tsc, tsc, tsc. Mas é importante que você veja isso.

Como sempre, aqui no Blog Perspectiva Crítica você não tem surpresas. Você tem informação coesa do início ao fim do ano. Sua vida fica mais previsível.. talvez mais monótona (rsrs), mas pelo menos você fica bem informado e na frente do que a grande mídia de mercado publica sobre fatos econômicos.

Continue assistindo... o mercado botou a expectativa nas alturas no início do ano para extorquir o máximo de juros básicos. Na candidatura do Aécio chegou-se a falar que eram necessários juros de 15%!!! Mas a inflação já parece arrefecer com 12,75% fixados no governo petista.. menos impacto recessivo, menos desemprego do que se o juros fosse a 15%... e esfriamento da inflação que o FMI projeta não superior a 7% no fim desse ano de 2015. Depois dizem que s Dilma enganou a população.. é brincadeira..

Vá assistindo o mercado baixar sua expectativa até fechar com a real inflação do fim do ano que será não superior a 7,5% (nossa expectativa) e pode até surpreender e ficar em 7% (expectativa do FMI) ou menos. Vamos ver..

Grande abraço.

p.s. de 16/04/2015 - Texto revisado.

quarta-feira, 8 de abril de 2015

O fim do emprego e de direitos trabalhistas: Projeto de Lei 4330 e a regularização de tercerização

Sim, parece grave.. e é. Quem via integrantes da CUT criando problemas para a segurança na Câmara dos Deputados talvez não entendesse o que estava ocorrendo, até porque a grande mídia não deixou claro o que ocorre: a aprovação do Projeto de Lei 4330 que regulariza a terceirização pode extinguir milhões de empregos, a respectiva arrecadação para o INSS, direitos trabalhistas como férias, décimo terceiro, horas extras, e ainda acabar com empregos públicos em estatais. Como?

O projeto de Lei permite a terceirização de atividade-fim. Assim, uma estatal poderá, caso a lei seja sancionada como está sendo aprovada, contratar prestadora de serviço para prestar serviço de engenharia, por exemplo, ao invés de contratar engenheiros. E assim com economistas, advogados, administradores.. todos os trabalhadores formados em curso superior ou técnico. A Petrobrás poderá fazer isso agora. Empresas prestadoras de serviço tomarão os empregos públicos de estatais e você poderá não ver mais muitos concursos públicos para Petrobrás, BNDES, EMBRAPA, Banco do Brasil, CEF... qualquer estatal. A aprovação deste projeto é o apoderamento de todos estes empregos públicos que saem da esfera e do alcance do cidadão e ingressa no patrimônio das empresas e dos políticos.

Mas não é só isso.. pessoa física pode ser terceirizada. Aquilo que ocorre na prática com empregados bem remunerados de grandes empresas, que são obrigados a virarem Pessoa Jurídica para continuar sendo empregados, mas que ao fim do contrato poderia gerar uma ação trabalhista para compensar esse desvirtuamento da relação de emprego, agora estará legalizado. Para todos os trabalhadores. Pelo menos o projeto original permitia isso...

Assim, pergunto, por que uma empresa vai te contratar como empregado se pode te contratar como terceirizado? Como empregado ela tem que te dar férias, e remuneradas, respeitar licença médica, licença maternidade, licença paternidade, recolher tributos para o INSS, para o FGTS e tem de te pagar horas extras. Como terceirizado, não. Nada disso é problema da empresa contratante do trabalho terceirizado, ainda mais se for a tercerizaçao de trabalho individual de pessoa física.

Mas não é só isso. Também as empresas contratantes não vão mais ser responsáveis pelo recolhimento de contribuições previdenciárias e do FGTS.. ou seja, a garantia do recolhimento aos cofres públicos dos valores que são do trabalhador, seja para o caso de demissão sem justa causa ou qualquer causa de saque de FGTS, como compra de imóveis, ou mesmo a garantia do recolhimento de valores devidos à previdência que se reverterão na aposentadoria do trabalhador simplesmente diminui gravemente porque antes era garantida pela empresa que terceirizava o serviço do trabalhador e pela empresa contratante do serviço terceirizado, mas agora deverá ser cobrado somente da empresa prestadora do serviço que muitas vezes é muito menos sólida do que a empresa contratante. Exemplo: você é terceirizado da Petrobrás ou Vale ou qualquer empresa privada que não seja estatal? Após a aprovação do Projeto de Lei 4330, que ocorrerá nesta terça-feira, dia 08/04/2015, se sancionada, a Petrobrás e a Vale ou outra empresa contratante de serviço terceirizado não mais se responsabiliza pelo recolhimento do FGTS e contribuição previdenciária. Esses encargos deverão somente ser cobrados da empresa que terceiriza o seu serviço. Muitas são mais fracas e podem falir. Se não tiverem efetuado os recolhimentos.. adeus recolhimentos.. como a União, CEF e o INSS gerirão este problema? Não se sabe. Talvez se diga da ineficiência do Estado e haja mais venda de patrimônios públicos para fechar esse futuro rombo...

A regulamentação da terceirização não é um problema em si. Pode ocorrer e na verdade já existia através das legislações existentes e da jurisprudência. Mas isso não era bom para as empresas como poderia ser. Então a FIRJAN, FIESP, CNI (Confederação Nacional das Indústrias), CNC (Confedereção Nacional do Comércio) e todos seus filiados que pagam campanhas de políticos (financiamento privado de campanha política) conseguiram dizer que havia necessidade de regulamentação da terceirização e nela colocaram tudo o que queriam para acabar com a relação de emprego e com cargos públicos e empregos públicos. E conseguiram, pois empresas e bancos são mais organizados do que cidadãos.

Do jeito que está, a aprovação do Projeto de Lei 4330 e sua sanção pela presidente pode ser o fim do emprego no Brasil e de todos os direitos trabalhistas, pois eles estarão previstos, mas quase ninguém será empregado. Todos viraremos, ao menos de agora em diante, Pessoas Jurídicas ou integrantes de quadros de empresas que terceirizam serviço a empresas privadas, estatais e ao Estado. E não teremos mais, na prática, licença paternidade, licença maternidade, horas extras, férias remuneradas e nem licença médica.

Parabéns à FIRJAN, FIESP, CNI, FEBRABAN e Confederação Nacional do Comércio. Parabéns pelo eficiente lobby e pela ótima propaganda sobre necessidade de regulação da terceirização no Brasil, apresentada como solução para a eficiência do mercado de trabalho. Torcemos para que a prática não seja somente de degradação e precarização da relação de emprego e extinção, na prática, de garantias e direitos trabalhistas e previdenciários.. mas infelizmente parece que, se a sociedade nada fizer contra isso,  será somente isso o que ocorrerá. Talvez nem nos EUA a liberdade de explorar a mão-de-obra seja assim tão grande.

P.s.: Iremos ler com calma todo o projeto modificado para depois confirmar os prejuízos ao trabalhador, ou seja, você. Po enquanto, fique com a leitura complementar do seguinte artigo da Empresa Brasileira de Comunicação (EBC) em http://www.ebc.com.br/noticias/politica/2015/04/entenda-o-que-diz-o-projeto-de-lei-da-terceirizacao

p.s.2: Acesse ainda nosso artigo anterior já alertando a sociedade sobre esse avanço sobre direitos trabalhistas pelas congregações de empresas: http://www.perspectivacritica.com.br/2013/08/gravissimo-relacao-de-emprego-e.html

p.s.3: Acesse a íntegra do Projeto de Lei 4330/2004 em http://www.camara.gov.br/proposicoesWeb/prop_mostrarintegra;jsessionid=345129170B6DBAD16AD298AEB431A849.proposicoesWeb1?codteor=246979&filename=PL+4330/2004

p.s.4: Análise do Projeto de Lei 4330/2004 original. Os arigos 5º, 10 e 12 são os piores. O artigo 5 descaracteriza o que a jurisprudÊncia via como fraude à relação de emprego. A pessoa pode ficar 20 anos na mesma atividade que não gerará vínculo de emprego. É o fundamento básico para o fim do emprego. Artigo 10 decreta o fim da responsabilidade solidária entre contratante de serviço terceirizado e empresa contratada em relação a pagamentos de obrigações previdenciárias e FGTS, colocando em risco essa receita para a Adminstração Pública e para o usufruto do trabalhador quando precisar. É o fundamento básico para o risco de diminuição de recolhimento ao INSS e FGTS. O artigo 12 aplica a regra a estatais e toda a Adminstração Pública. Cria o link retórico e legal para o risco de fim de contratações de servidores públicos e empregados públicos, consoante o comentário final que se segue: Comentário Final: Neste original não há regra clara para a contratação de terceirização de pessoa física, diretamente. Também não há a regra de possibilidade de terceirização de atividade-fim. Com essas duas regras a mais, acabam o emprego clássico e suas garantias, além de cargos e empregos públicos, ou abre-se a porta para que isso ocorra em nossa sociedade, por mais que naõ seja implementado agora.

P.s. de 16/04/2015 - Texto revisado e ampliado.

segunda-feira, 6 de abril de 2015

Uma crise ainda não dimensionada: nova crise econômica mundial de petróleo à vista

Senhores, tirando a crise de 1929, de superprodução... quais outras crises mundiais graves tivemos? Grave, grave mesmo foram somente por causa de petróleo em 1971, 1973, 1979, 1981. As crises de México, Brasil, Rússia, depois Argentina e Venezuela.. foram pontuais, não mundiais. Depoisdas crises de 1929 e as de petróleo, a única crise mundial grave que ocorreu foi a recente crise financeira internacional imobiliária de 2008 até hoje. Alguns sustentam que acabou.. mas os reflexos em derrubar economias permanece até hoje em todo o mundo.

Então, vejam.. petróleo é algo gravíssimo. O preço normal do petróleo, em momento anterior à crise financiera internacional era de US$110,00 o barril Brent. Mas a guerra do petróleo, comentada por nós há poucos artigos, tendo como protagonista maior a Arábia Suadita, seguida dos EUA, e tendo como atores menores mas importantíssimos Irã, Venezuela, Rússia e pré-sal brasileiro, gerou uma desvalorização do barril que chegou em 16/03/2015, a US$52,00 o barril Brent e US$42,00 o barril de petróleo.

Ninguém está falando nisso. Mas isso é uma bomba. Sinifica que vários países que dependem dessas divisas não estão recebendo essas divisas com base em 110 dólares, mas com base em 52 dólares ou 42 dólares por barril. Nõa é só a Venezuela, Irã e Rússia que estão sendo prejudicados. A petrobrás está sendo prejudicada. A arrecadação do Estado do Rio de Janeiro, e, hoje, de mais 13 Estados estão sendo prejudicadas, pois depois da rodada de blocos de exploração no Norte e Nordeste, temos 14 Estados produtores e não somente 4 Estados, como antes dessa licitação de mais de 300 blocos de exploração.

Mas não é só o Brasil que está sendo prejudicado ou a Petrobrás. A Statoil norueguesa, a Exxon americana, a Shell, anglo-holandesa, a Total francesa, a AGIP italiana, todas as empresas e países que produzem e exportam petróleo estão sendo prejudicadas. E até onde vai esse prejuízo? Ninguém calcula. Como o movimento tem benefícios geo-políticos e geo-econômicos para os EUA (prejudica Venezuela, Irão, Rússia e o Pré-sal brasileiro) e até Europa (questão Rússia-Ucrânia), num primeiro momento, ninguém publica ou comenta. Mas a Arábia Saudita está, por tirania econômica, prejudicando o mundo inteiro. Se fosse o Irã, já estava invadida.

Prestem atenção a isto. Os movimentos de invasão, propaganda contra ou a favor, nõa são pelo bem da humanidade.. infelizmente.. antes fossem... a omissão informativa da grande mídia brasileira, que deveria estar informando sobre possíveis consequências dessa manipulação do preço internacional do petróleo para nossa economia e para a Petrobrás, nos atinge e atinge a Petrobrás.. mas pode se tornar em outro desastre econômico.

Os estoques mundiais estão ficando cheios de petróleo barato. Mas e então? O mercado de consumo aguenta quanto mais? O petróleo, se cair a menos de 47 dólares inviabiliza o pré-sal.. está resistindo acima de 50 dólares, o barril brent que é o padrão mundial.. mas a Arábia Saudita disse que não se importa que caia a 40 dólares... e aí? Cadê a defesa do livre mercado? Quem controlaria o dumping internacional que a Arábia Saudita está fazendo para ganhar market share? Em que medida a manipulação de uma reserva petrolífera com dimensões que tornam um país capaz de submeter o mundo é legítima?

É fácil ver o limite.. se a Arábia Saudita fosse o Irã ou a Venezuela ou a Rússia, os EUA estariam silentes? Você não passaria a conviver com propaganda contra a manipulação artificial do preço internacional do petróleo como o que ocorre hoje? Sim. Mas como é a Arábia Saudita, aliada dos EUA, você deverá sofrer quieto as consequências desta manipulação torpe e exclusiva por dinehirro e mais mercado para a Arábia Saudita, mesmo ao custo de famílias desempregadas, empresas de petróelo e seus lucrosd aos acionistas, e mesmo ao custo da desorganização financiera de Estados, países e Municípios em todo o mundo.

Quando a manipulação e efeitos negativos vêm de países de fora do eixo rico (EUA- Europa-Japão, incluindo o aliado Arábia Saudita) a propaganda é contra, os jornais são contra os reflexos dessa manipulação ou má conduta. Quando a manipulação vem de integrantes do eixo trilateral, do eixo rico, aí é tratado como consequência do livre mercado...

A omissão internacional nesta questão está criando um monstro que pode ser uma nova crise econômica com base na baixa artificial do preço do petróleo induzida e mantida pela Arábia Saudita sem qualquer intervenção moral ou real dos EUA.. tudo por interesses geo-políticos e geo-econômicos. Não é só falta de petróleo que causa crise.. super-oferta também pode criar. A crise de 1929 foi por super-oferta de produtos. Estamos tendo super-oferta de petróleo.

Vamos ver até onde isso vai.

O gigantesco potencial do mercado de seguros e do crescimento da economia: a regulamentação do Imposto sobre Grandes Fortunas

Tema totalmente renegado pela mídia de mercado. Você nunca, nunca vai ler isso em jornal nenhum da grande mídia. Só se for depois de ter sido publicado neste Blog, como vem ocorrendo, aliás.. rsrsrsrs.

Apesar de todo o chilique em torno da regulamentação do Imposto sobre Grandes Fortunas, o que é compreensível em relação a quem tem grandes fortunas, esconde-se nesse tema um dos maiores motivos e causas da diferença da economia norteamericana em relaçaõ à nossa. Mas ninguém escreve sobre isso.. mas nós vamos escrever.

Há muito tempo qeríamos escrever sobre isso mas não foi possível. Esse é um dos puocos temas cuja falta de publicação nos incomodava.. e finalmente vamos abrir mais uma vez, como gostamos de crer.. rsrsrs, os seus olhos, os olhos do nosso estimado e seleto grupo de leitores, seguidores, comentaristas e críticos.

No Brasil, o imposto sobre herança (imposto sobre transmissão de bens causa mortis ou doação - ITCMD ou ITD) é de 4%, para qualquer patrimônio. Nos EUA varia de 3% a 77%, segundo site do Francisco Dornelles pesquisado por mim há alguns anos, quando ele era relator da reforma tributária. Na Alemanha é de 40%. Significa que Bill Gates, ao morrer, deverá pagar 77% de seus 60 bilhões de dólares para o Fisco norteamericano. Você acha que ele vai pagar isso assim? Rsrsrsrs. Não.

O dinheiro na mão do multimilionário ou bilionário muitas vezes pode ficar somente na condição de valor rentista, gerando renda financiera, sem produzir mais eficvientemente para a sociedade. As sociedades mais maduras e co melhor assistência social adotam esta tributação diferenciada para os mais ricos e qual é o resultado?

Nos EUA, em que o imposto sobre herança varia de 3% a 77%, os multimilionários e/ou bilionários têm de pagar até 77% de sua fortuna ao governo americano e, portanto, contratam seguro de vida pelo valor do imposto que terão de pagar. Assim seus familiares recebem o direito pago de imposto via pagamento de seguro de vida, enquanto o govenro americano recebe uma fortuna de imposto que pode se reverter em investimentos na economia e em serviços públicos. A economia, por sua vez, durante a vida desse bilionário, ganhou a parcela de seguro paga pelo bilionário, que se converterá, via companhia seguradora, em investimentos em letras de câmbio, alavancando investimentos na área privada, e também em títulos da dívida pública, beneficiando o giro econômico e o potencial produtivo do patrimônio do multimilionário e do bilionário, cujo valor estava somente na condição de poupança para renda pessoal do multimilionário/bilionário, parado no banco.

E também por isso explodiu a criação de fundações privadas entre multimilionários por lá nos EUA: você cria uma fundação para destacar patrimônio que iria para o Fisco. Assim dá emprego para parentes e salários (pro labore de cargos honoríficos) fazendo com que recebam algo de um patrimônio que iria para o Estado via imposto de herança. Mas isso cria um instrumento social que põe o valor a favor da sociedade e da economia, gerando empregos e serviços à sociedade. Gerando emprego, arrecadação e riqueza. Então, esse canal também está pouco explorado aqui.

Esse dinheiro que irriga a economia norteamericana também é um dos motivos de por lá haver uma quantidade de valores disponíveis no mercado muito maior do que aqui, o que baixa os juros cobrados pelos bancos ao consumidor e ao investidor, pois é melhor emprestar a baixo juros dinheiro que sobra do que deixá-lo parado sem essa remuneração por menor que seja.

O Brasil peca por não regulamentar o Imposto sobre Grandes Fortunas. Se bem feito, esse imposto pode catapultar a economia como nunca se viu. O dinehrio é do multimilionário e não temos nada contra isso. Somos totalmente a favor de ricos, milionaíros, multimilionários e bilionários. Queremos até vir a pertencer a esse grupo!! Rsrsrs. Mas como aumento de salário mínimo pode ter consequências inflacionárias em curto prazo, e concordamos em tirar esse dinheiro a mais dos pobres que o recebem para que a econom,ia fique mais eficiente, também parece justo que concordemos em obrigar que parte de uma riqueza formidável e incomum tenha um incentivo para que seja direcionado à economia, criando mais investimento, emprego, riqueza e arrecadação ao Estado, pois isso torna mais eficiente a economia.. ou não?

O Brasil poderia até abrir mão do IGF e aumentar o imposto sobre herança e para ficar metade do que é na Alemanha ou metade do que é nos EUA. Assim, nossos ricos não se sentiriam atraídos a se mudar para um ou outro país em busca de fugir de impostos pagos aqui. E mesmo pagando cinco vezes mais do que pagam hoje a título de imposto de herança, digamos 20% de imposto sobre grandes fortunas, pagariam menos da metade do que se paga nos EUA e Alemanha, mas a economia receberia valores incalculáveis dos redirecionamentos de opatrimônio e investimentos dos multibilionários e bilionários brasileiros.

O resultado seria um crescimeno astronômico do mercado de seguros no Brasil, aumento de investimento, criação de fundações privadas às mais diversas, criação de renda, riqueza, crescimento econômico e aumento de oferta de capital no mercado que poderia baixar muito os juros cobrados pelos bancos em empréstimos a investidores e consumidores.

Depois não se sabe porque os outros países são desenvolvidos.. dizem que é só a liberdade de mercado.. rsrsrsrs.. brincadeira.. só rindo.