segunda-feira, 21 de julho de 2014

Comentário Econômico julho de 2014 - inclusive sobre a queda do PIB, queda da produção e venda de energia elétrica pelas indústrias

O artigo "Com freio no PIB e alta na tarifa elétrica, indústrias ganham R$289 milhões vendendo energia", acessível em http://oglobo.globo.com/economia/com-freio-no-pib-alta-na-tarifa-eletrica-industrias-ganham-289-milhoes-vendendo-energia-13322826, está muito interessante. A abordagem também não foi a comum, alimentadora do caos, como o Globo costuma fazer.

Observem, esse movimento, como é dito no artigo, é uma boa opção para as indústrias, neste momento de previsão de baixa do PIB. Vamos analisar algumas questões em torno disso.

O preço da energia elétrica no mercado à vista disparou. Por quê? Somente por causa da mudança de marco regulatório pelo governo? Não. A mudança dos contratos, que não foram de forma autoritária como dizem os jornais e nem sem fundamento, como já pudemos ver em outros artigos, criou uma conta para a União, sim, em um primeiro momento. Mas se houvesse a construção das usinas hidrelétricas e nucleares, além de normalização de chuvas, haveria produção de energia que diminuiria ou acabaria com esse valor deficitário inicial de 8 bilhões de reais.

Então a causa do déficit financeiro no sistema elétrico, para quem quert informar a população, deriva de: (a) mudança nos contratos e diminuição das tarifas somado a (b) falta de construção de mais geradoras, (c) grande período de seca que prejudicou a produção normal de energia elétrica via hidrelétricas e obrigou o fornecimento por período muito grande de energia via termelétricas.

Estes fatos somados reduziram o fornecimento de energia no mercado à vista, gerando aumento do preço da energia no mercado à vista.

Entendidas as causas do aumento do preço da energia à vista. De quem é a culpa por esta situação?

Observem, primeiramente eu culparia o governo, se houvesse dados sobre o eventual benefício/malefício que a mudança de tarifa de energia elétrica proporcionou ao crescimento do PIB e à criação de emprego, bem como em relação à respectiva arrecadação de tributos e sustentabilidade do déficit de 8 bilhões de reais em 2013 e de 13 bilhões de reais em 2014. Mas esses dados não existem. Então, a culpa do governo por simplesmente tentar beneficar a sociedade e diminuir custo Brasil da forma que o fez, fica dífícil de ser defendida como única e certa.

As condições climáticas com certeza têm culpa. pois que se houvesse chuva normal, ao que parece, o déficit financeiro poderia já ter sido compensado e até zerado. Por quê? Porque haveria mais fornecimento de energia e com cresicmento do pib, o aumento de consumo geraria também aumento de massa de energia contratada. Mais quantidade consumida poderia compensar a abixa do proço e equilibrar as finanças do sistema elétrico.

Então, neste momento, é possível ver que mais produção ajudaria todo o sistema. E por  que não há mais produção? Por causa de falta de chuva, mas, principalmente por causa das barreiras que verdes xiitas e muito principalmente a mídia causou com a política de contestação e impedimento da construção de Belo Monte, Santo Antônio e Jirau, além das usinas nucleares (essas últimas com prazos mais longínquos de término de construção).

Somos a favor da defesa do meio ambiente. Somos a favor do deate público para construção de hidrelétricas. Somos a favor da publicação livre da imprensa sobre o assunto.. mas sejamos sinceros.. no início chegou-se a uma paranõia verde tão grande e irrazoável em relação à construção das hidrelétricas  que são muito menores dao que a que a China constrói em "Três Gargantas", que até astros de Holiwood vieram ao Brasil, sob a trilha sonora e pano de fundo do filme "Avatar" para posar de defensores da natureza... nossa mídia adorou. E ao invés de gerar o debate sério sobreo o problema, passou a atacar, a apoiar o impedimento das construções, todos em sintonioa pela defesa do verde.. sem pensar no crescimento do Brasil e da necessidade de geração de energia elétrica para nosso crescimento, claro.

Então, temos aí o rol de culpados e a mídia está dentre eles. Somente a Rede Bandeirantes fez uma série de reportagens comentando as vantagens da construção das usinas e o desçenvolvimento local que tais construções estavam proporcionando, além das vantgens para o Brasil em tais construções. Faça-se justiça.

Visto isso, e a recente opção de indústrias em vender energia ao invés de produzir? è boa para o Brasil?

Sim. Excelente! O PIB está caindo. Por quÊ? Porque, senhores, a economia mundial está mal. O último semestre os EUA teve queda de 3% do PIB. 3%. Valor anualizado.. só pode ser. A França está em recessão. Alemanha também teve queda do PIB. E aí, o Brasil vai vender para quem?! Se não vende, baixa PIB, senhores.

Além disso, passamos por uma abusrda onda de arrocho financeiro com aumento consecutivo da Selic por quase um ano. Estamos em 11%, pagando juros reais maior do que Venezuela, Argentina, Grécia, Espanha, qualquer um. Mas pergunto, há risco de não pagarmos dívidas internacionais? Não. Estamos em recessão? Ainda não. A inflação alta era baseada no quÊ? Demanda geral? Não. A inflação não está mais disseminada em vários produtos e setores. Ninguém publica isso... agora. Quando esteve disseminada por vários setores por dois ou três meses, isso foi publicado diariamente. Então, onde se concentrou a inflação que o jros alto atual quis controlar? Em alimentos e petróleo, combustíveis... isso nem é considerado para calcular inflação nos EUA, pois não tem a ver com demanda, mas com condições climáticas e com, no caso de petróleo, uma variável complicada, que depende de guerras.. etc.. o preço não tam oscilçaçaõ normal de oferta e demanda, produção e consumo.

Então, com base nessa inflação em grande parte devida a alimentos, os juros selic foram levados à estratosfera. Tudo bem que a inflação de serviços foi mais resistente.. mas isso devido à política de valorização do salário mínimoi e ao baixo desemprego. E qual o percentual dessa inflação de serviços no índice geral? Parece que menor do que o de alimentos e combustíveis juntos.

Então, voltamos a dizer, os juros altos criaram um grande problema. Pois ele atrai dólares. Isso baixa a cotação do dólar, o que ajuda a baixar inflação mas incentiva importação, que prejudica a produção industrial. Então o juros alto atraiu dólares, está baixando inflação e produção industrial. Daí a baixa do PIB. Além disso, o juros alto garante retorno financeiro alto no Brasil, desestimulando o industrial e a classe produtiva a produzir.  Assim, ao invés de investimentos e aumento de taxa de investimento, temos dinheiro indo para bancos. E isso baixa produção industrial e o PIB. Segunda consequÊncia negativa dos juros altos em 11% no Brasil, e ambas determinando baixa de inflação, baixa de produçao e baixa de PIB. E baixa de produção e de PIB leva a quê? A diminuição de contratação e depois a aumento de taxa de desemprego. Isso estará ocorrendo.

Mas não é só isso. As pessoas compraram muitos carros e imóveis. Estão endividadas e já há tempos a família brasielira naão consome demais. Então o PIB vem eoncolhendo desde 2010, quando chegou ao crescimento de 7,5%, no ápice das medidas anticíclicas adotadas pelo governo para impedir aqui a recessão que ocorria nos EUA e Europa por conta da crise de 2007/2008. Então, as pessoas já endividadas desde 2010, estavam comprando menos. E isso gera menos demanda. E isso também dsinaliza que as empresas devem produzir menos. Chegamos então a hoje.

Hoje, com esta configuração de coisas, a energia elétrica à vista está cara, não há previsão de deamanda para produtos produzidos pelas indústrias e estas decidiram diminuir produção e vender energia elétrica. Isso não é propriamente ruim e só é possível devido ao grau de sofisticação que o mercado de energia apresenta hoje. Hoje as indústrias podem parar de produzir e ganhar dinheiro com isso. Quais as consequências reais?

A inflação pode cair com menos negóicios. As indústrias podem adequar seu ritmo de produção, com menos prejuízo. e pode haver um pequeno aumento de oferta de energia no curto prazo e baixar o preço da enegia elétrica a curto prazo. A intensidade de tudo isso, com perda de postos de trabalho, impacto inflacionário final, impacto no crescimento econômico, ficaremos sabendo no fim do ano, mas colocar toda a culpa da queda do PIB e da diminuição da criação de postos de trabalho na alteração do marco regulátório do sistema elétrico efetuado pelo governo é muita simplicidade de causa para algo com pelo menos mais duas causas: altos e desnecessários juros básicos a 11% e falta de chuva e auemnto de produção de parque de geração de energia elétrica hidrelétrica e nuclear... e nisso, até a mídia teve culpa.


quinta-feira, 17 de julho de 2014

Ranking dos maiores e importantes juros reais em julho/2014, segundo lista publicada no O Globo e comentário sobre nossos juros reais exorbitantes

Finalmente uma publicação do Jornal O Globo exclusivamente dizendo que não há porque continuar o juros real atual brasileiro porque isso atravanca o crescimento econômico.

Veja a lista apresentada sobre os juros reais no mundo em julho/2014:

Ranking dos juros reais em julho
(Considera a projeção da inflação para os próximos 12 meses)

Brasil 4,21%
China 3,41%
Índia 2,27%
Rússia 1,51%
Hungria 1,39%
Indonésia 1,22%
Polônia 1,08%
Colômbia 1,07%
Taiwan 0,87%
Turquia 0,79%
Grécia 0,55%
Bélgica 0,30%
Coreia do Sul 0,20%
Suécia 0,15%
Filipinas 0,10%
Malásia 0,05%
Suíça -0,10%
Chile -0,14%
Espanha -0,15%


Veja o artigo orignal e a fonte desses dados em  http://oglobo.globo.com/economia/mesmo-com-manutencao-da-selic-juro-real-do-brasil-o-mais-alto-do-mundo-13287875#ixzz37lKbZMJo

O interessante é ver que Estados em situação econômica muito, mas muito, muito pior do que o Brasil, pagam juros reais muito menores. Isso é estarrecedor.

Veja, se o juros que se paga é para compensar o risco da economia, como o Brasil pode pagar mais do que Grécia, Espanha e Hungria?

É claro que não é só isso.. claro. Os juros básicos também servem para controlar inflação, a qual se não existe ou está despressionada, não exige juros básicos altos para contê-la. Pode ser isso que ocorre no caso. Como o desemprego nessas regiões é gigantesco e há recessão econômica, não há inflação e os juros podem ser baixos, em relação ao Brasil. Como no Brasil há crescimetno econômcio e giro econômico com inflação, precisa de juros básicos maiores..

Mas mesmo assim... juros maiores é diferente de juros reais maiores... se há deflação na Grécia, por exemplo, de 0,5%, um juros de 1,05% garante um juro real de 0,55%. E no Brasil, se a inflação está atualmente na média de 5,5%, então, juros básicos em 6,05% seriam suficientes para remunerar nosso título em relação ao título grego. Vê? E com menos risco para o investidor, pois nossa economia vai muito bem, obrigado. ainda mais em relação à Grécia!!! Mas não.. pagamos 11% de juros básicos e 4,21% de juros reais.

Observe, é claro que pelo menos o dinheiro pros nossos títulos são obtidos livremente em mercado e os títulos dos gregos e espanhóis estão muito mais na conta da troika do que do mercado livre, mas mesmo assim... à toda a evidência, pagamos juros absurdos em face do tamanho, capilaridade, dinamismo e força de nossa economia.

E com essa sugação de valores públicos, justificado como custo do "Risco Brasil" (só rindo), temos esfriamento absurdo da economia, menos geração de empregos e aumento de dívida pública sem justificativa real proporcional a esse custo para país.

É claro que esse artigo publicado hoje no Jornal O Globo On line, acima mencionado, fica perdido em meio a um mar de artigos no sentido de justificar juros altos no Brasil e ainda pedir mais, que é a tônica da grande mídia, na defesa dos interesses exclusivos de bancos e do partido de oposição ao governo, ao invés de pubblicar a realidade dos fatos, o que seira muito melhor para o bem do País.

Esperamos mais publicações da grande mídia no sentido da verdade, como ocorreu neste momento.

p.s.: E observe, meu caro leitor, se a Grécia e Espanha, países semi-falidos, estando sob gerência da troika (Fundo Europeu, Banco Europeu e FMI), com riscos sistêmicos gigantes, estão tendo a exigência de custo de 0,55% e 0,15% de juros reais para suas dívidas e financiamento de suas dívidas.. porque o Brasil, sem nenhum deses problemas, deve pagar 4,5% de juros reais?!?!?! Algo vai errado, não? E se a resposta é que eles estão submetidos a regime de austeridade profunda, com reflexos em altas taxas de desemprego, bom... então, gostaria de saber qual a opinião de gregos ou espanhóis: melhor pagar mais juros e ter mais inflação e empregos ou melhor pagar menos juros e ter menos emprego e inflação, neste momento? De qualquer forma, há que se pensar.. pois há incongruência nesses números.. Brasil nunca poderia estar como o maior juros reais do mundo.

Comentário à inflação, ao juros em julho de 2014 e ao artigo "Fitch confirma bom rating do Brasil, com perspectiva estável", do Jornal do Commercio de 11, 12 e 13 de julho de 2014

Senhores, enquanto a manchete do Jornal O Globo do dia 17 de julho de 2014 é "Para 69% dos brasileiros, preços subiram muito", o Jornal do Commercio já publicou em 30 de junho que, em onze anos, junho de 2014 foi o menor índice de IGP-M, que já apresentava deflação há dois meses, e publicou na edição de fim de semana de 11, 12, 13 de julho que a Ficth, agência de rating internacional, vai manter a classificação de longo prazo do Brasil como "BBB" com perspectiva estável, ou seja dentro da faixa de grau de investimento.

Apontou a Ficth que há problemas "endividamento relativamente elevado do governo, baixo nível de poupança e de taxas de investimento, e progresso limitado na melhoria da competitividade e flexibilidade fiscal". Agora, vejam, se essa águia do capitalismo que deveria ver o pior em todos os atos de governança do Brasil não apontou descontrole total de orçamento, descontrole total de inflação, loucuras econômicas, bolivarianismo, descontrole total de contas externas ou descontrole cambial, quem vai apontar isso?

Essa manchete não saiu no Globo, nem outras sobre o controle da inflação. Por isso, quem lê o globo fica sem entender porque o Banco Central não elevou mais uma vez o juros ontem, quarta-feira, dia 16/07/2014, e manteve o juros básico em 11%.

Isso ocorre porque a inflação está cedendo mê a mês, desde março de 2014. Isso ocorre porque com juros altos a 11%, concedendo o maior juros reais do mundo, empresas estão adiando investimentos e preferindo deixar dinheiro nos títulos do governo. Isso baixa taxa de investimento. E por causa disso, ou seja, da atração de dinheiro para a ciranda financeira e baixa taxa de investimento, o crescimento também está minguando. Isso tudo aponta um esfriamento da economia e o objetivo de aumento de juros é esfriar a economia. Se a economia já está esfriando, não é possível continuar a se aumentar os juros, por mais que o mercado financeiro e os bancos queiram ou apontem "riscos virtuais para o aumento da inflação" ou os jornais de direita apontem que " o povo sente a alta da inflação".

Então, como dissemos nos artigos anteriores, apesar de a grande mídia alimentar informações sobre caos econômico e inflacionário, não há pressões internas ou externas para aumento da inflação e esta está cedendo mês a mês, mesmo que a soma dos últimos 12 meses exceda 6,5% em 0,02%, e isso seja considerado "gravíssimo" por essa mídia.. rsrsrs

França está em deflação. Alemanha não consegue crescimento econômico. A Europa está com recuperação lenta. China Cresce a 7%, mas já cresceu a 11%. Os EUA não têm grandes recuperações, sendo que a taxa de desemprego mais baixa parece ser muito mais porque os trabalhadores desistiram de procurar do que propriamente tenham conseguido trabalhar. Essa foi informação que colhemos também no Jornal do Commercio, que no momento é o melhor canal de informação mais neutra sobre economia. O Valor Econômico também é bom. E o Monitor Mercantil também.

Internamente a safra recorde brasileira chega aos supermercado e em junho gerou bom impacto positivo inflacionário, aliviando a taxa de junho e ainda chega, segurando preços mesmo com o aumento de demanda causado pela Copa e pelo contingente de turistas que não frequentaram hotéís. E agora, se foram.

Então, senhores, enquanto um jornal continua a alimentar o caos econômico inflacionário, o Joranl do Commercio noticia que segundo a Ficht, tudo vai bem. Rsrsrsrs Escolham a opinião e artigo que lhes pareçam melhor. Nossa análise nos leva a acompanhar a Ficht, desta vez, e os artigos do Jornal do Commercio, sobre o tema inflação e juros, publicados atualmente.

domingo, 13 de julho de 2014

Expressiva parte do atual déficit da balança comercial é de remessas de lucros de multinacionais

Muito importante destacar essa informação. Os aumentos de déficits brasileiros na balança de transações correntes vêm sendo abordados pela grande mídia como mais uma evidência, como tudo de ruim que possa acontecer, de falha do governo. No entanto, uma abordagem séria evidencia que a crise financeira internacional aliada ao relativo sucesso da economia brasileira nesse mesmo período e, consequentemente o sucesso de multinacionais estrangerias em nosso território, é que são as grandes causas do aumento desse déficit.

A hipótese de grande remessa de lucros serem um motivo para o déficit na balança de pagamentos já tinha sido aventada pelo Blog Perspectiva Crítica em artigos anteriores. Segundo o artigo intitulado "Remessa de lucros chega a US$ 171 bi", publicado em 09/12/2014, na capa do Jornal Monitor Mercantil, o Dieese informa que "depois de registrar superávit entre 2003-2007, nas transações correntes (comércio de serviços). com o estouro da crise global, o país voltou a registrar déficits". E segundo o Dieese neste estudo, "uma das principais pressões sobre as contas externas (...) veio das remessas de lucros das multinacionais para as matrizes", como noticiado no referido artigo pelo Monitor Mercantil.

Depois do período vertiginoso com superávits nas contas externas entre 2003-2007, somente em "2008 as remessas de lucros e dividendos responderam por 95% do déficit nas transações correntes do Brasil com o exterior", informa o artigo. E esse percentual de participação de remessas de lucros e dividendos no déficit das contas externas brasileiras permaneceu muito alto nos anos seguintes: 77% (ano de 2009); 51% (2010); 55% (2011); 40% (2012) e 30% em 2013.

Senhores, isso é muito diferente de informação superficial de que "o déficit em contas externas é símbolo da incoompetência de governo". Não falo isso para defender o governo. Falo isso, como sempre, para colocar os pingos nos "is". Para resolvermos um problema é necessário entendê-lo. Se trocar governo resolvesse tudo, seria ótimo e simples. Mas isso não resolve a crise financeira internacional, nem a remessa de lucros!!

Então é importante mostrar que no quadro atual internacional fica evidente que há uma natural pressão por remessa de lucros ao exterior. Por quê? Porque as empresa estrangeiras enfrentam uma desgraça econômica local e além de terem de conter valores para investir nas filiais em outros países, incluído o Brasil, eles aplicam política de grande recebimento de lucros de suas filiais. Isso, no Brasil, gerou uma pressão forte sobre nossa balança de transações.

Só que isso não é totalmente ruim. Isso é consequência da liberdade econômica que vivemos e do ambiente favorável ao investimento estrangeiro, que pressupõe liberdade em remessa de lucros também. Gera um problema momentâneo de contas externas para o Brasil, mas o estrangeiro confirma o retorno de seus investimentos e o respeito à ordem jurídica, contratos e à liberdade econômica. Isso estimula reinvestimento no Brasil. E é por isso que em 2013 o Brasil foi o quinto maior destino do investimento estrangeiro, atrás de China, EUA, ? e Inglaterra.

O fato de mantermos por anos do terceiro ao quinto lugar em investimentos diretos estrangeiros, sempre por volta de US$60 bilhões anuais, é algo a ser festejado, mas tem o lado de uma pressão sobre contas externas com base em remessa de lucros e dividendos.

Visto dessa forma, fria, sem partidarismos, podemos ver que é importante adotar medidas que anulem o efeito negativo de grandes remessas de lucros e dividendos das multinacionais estrangeiras para suas matrizes. Quais medidas? Criar oportunidades de investimentos para atrair mais investimento estrangeiro no Brasil. Licitação de blocos para exploração de petróleo, licitação para concessão de construção e exploração de aeroportos, portos, rodovias e linhas de trens e metrôs. Estímulo para criação de mais fábricas e indústrias. Isso é o que resolve a pressão negativa sobre a balança de pagamentos que é causada pela grande remessa de lucros e dividendos de multinacionais estrangeiras.

E mais: estímulo à compra de empresas estrangeiras por empresas brasileiras, financiamento de compra de serviços e produtos brasileiros pelos estrangeiros (exemplo: obras do porto de Mariel em Cuba, rodovias na República Dominicana, obras em vários países da América do Sul), apoio à expansão de empresas e indústrias brasileiras no exterior, para que tenhamos também remessas de lucros e dividendos do exterior para o Brasil.

Muito disso já está sendo feito, aliás. Mas pode sempre ser melhorado. A própria criação do Banco de Desenvolvimento dos Brics pode ser mais um instrumento para fortalecer esse tipo de política expansionista do comércio e da indústria brasileira no exterior, em benefício às contas externas brasileiras.

Então, senhores, fica aqui uma abordagem séria e verdadeira sobre causas e consequências do déficit atual brasileiro em contas externas, com propostas apartidárias para mudança desse quadro. Esse é e sempre será o dever do Blog Perspectiva Crítica. A solução da remessa de lucros, sem impedi-la, resolveria imediatamente de 30% a mais da metade do problema do déficit das contas externas do Brasil que se apresenta nos últimos 6 anos.

sábado, 12 de julho de 2014

Verdadeiras Boas e más notícias: inflação em boa tendência, Gripen NG Sueco-brasileiro será produzido pela Embraer, dívidas do setor elétrico, ponderações estatistas contra a CBF e Banco dos Brics

É bom que, à medida em que a Copa termina e o pleito presidencial se aproxima, teremos um turbilhão de informações a serem publicadas pelas diversas mídias. Isso é ótimo, pois significa que o Blog Perspectiva Crítica, depois desse período de letargia durante a Copa (também somos brasileiros e torcedores.. rsrsrs), terá muito, muito o que noticiar e analisar e compartilhar com nossos leitores.

Vamos então a esses cinco temas super interessantes atuais:

Inflação de julho em boa tendência - Ao contrário do que é publicado no Jornal O Globo, a inflação está em boa direção, a nosso ver. Veja o contraste entre duas notícias. O Globo publica "Inflação fora da meta",na página 21 do dia 09/07/2014, insistindo em dar sempre o pior viés, no caso a extrapolação da meta de 6,5% nos últimos 12 meses. Mesmo que a inflação, medida pelo IPCA esteja caindo desde março de 2014, quando atingiu altos 0,92% e, mês a mês, desceu de 0,67% (abr) para 0,46% (mai) para para 0,40% em junho de 2014 e tudo indica que continuará caindo em julho de 2014, sem haver previsão efetiva de extrapolação da meta ao fim de 2014. Já o artigo "IGP-M de junho tem maior deflação em 11 anos: 0,74%", foi a escolha de informação a ser publicada pelo Jornal do Commercio em 30/06/2014, na página A-2, noticiando que o IPA-M (índice de inflação de agrícolas) "saiu de retração de 0,65%, em maio, para declínio de 1,44% em junho"; e informando, ainda, que o "INCC-M (preços da construção civil) desacelerou de 1,37% para 1,25%". Mas noticia que a expectativa é que os IGPs saiam da deflação em julho. Veja, qual a abordagem do assunto inflação parece melhor para o leitor entender o que ocorre? Pra nós, parece ser uma leitura simples do Jornal do Commercio e uma leitura crítica do Jornal O Globo. Pelo menos o Globo publicou a evolução do índice de inflação IPCA tanto para o somatório dos últimos doze meses quanto para a evolução mensal. Garante um mínimo de informação para ser analisada pelo leitor que somente o utiliza como fonte. Mas a verdade é que as expectativas para o crescimento econômico são cada vez menores, o que por si só já dá idéia de pressão inflacionária inexistente ou fraca. Não adianta ficar somente somando altas administradas de petróleo, eletricidade e contratos administrados para tentar deslegitimar os índices inflacionários atuais. Se subsídios bilionários fossem retirados da economia européía e americana, seus índices inflacionários não seriam os atuais. Não há descontrole inflacionário, mas ajustes, como sempre, terá de ser feitos à frente. E tudo ocorre às claras. A maior parte dos ajustes de contratos administrados e petróleo já está em andamento. As elétricas é que ainda estão sem solução definitiva; mas entraremos melhor no tema no próximo tema. As medidas exageradas de juros altos estão surtindo efeito. A inflação e o crescimento estão minguando. Inflação se apresenta sem pressões internas e externas para inflação. Inflação se apresenta, para nós, como sob controle.

(A continuar, depois do jogo da Holanda x Brasil!! Esperamos que o Brasil leve ao menos esta!)
(Péssimo jogo!! Triste a desordem no time do Brasil... o mesmo time campeão das Copas das Confederações.. incrível.. enfim..)

Gripen NG Sueco-Brasileiro - Artigo intitulado "Embraer fecha parceria para caças Gripen", publicado pelo Jornal O Globo, na página 30, em 12/07/2014, traz ótima notícia. O Gripen NG, da empresa sueca Saab, ganhou a licitação de caças supersônicos da Força Aérea Brasileira (FAB). Já tratamos sobre isso em artigo específico, mas convém sublinhar que trata-se menos de um avião e mais de um conceito de avião. Foram feitos 300 deles antes da aprovação em licitação. É um projeto aberto e que pode ser acrescentado, alterado pelo Brasil para nossas necessidades. O Brasil não comprou avião, como a Índia, Venezuela e outros países fazem. Comprou o projeto, com transferência de tecnologia que nos torna independentes na produção de todas as peças do avião, do software da aviônica, tudo, menos, infelizmente, dos motores que são norte-americanos. A parceria da Embraer com a Saab dá a certeza e o meio de que a transferência será efetivada com total acuidade e sucesso. Outra empresa brasileira já estava em parceria com a Saab, mas não tinha a capacidade industrial da Embraer. Com a Embraer entrando na parceria tudo o que queríamos fica consolidado: transferência de tecnologia, capacidade de produção de todas as peças, autonomia brasileira em relação à apreensão do projeto, softwares, aviônica de um caça supersônico, enfim, tudo. O Brasil entra hoje num outro patamar em relação à sua potência militar. E a incrementará mais uma vez com o domínio da tecnologia de fabricação de drones (aviões não tripulados) e de submarinos nucleares, ambos em vias de concretização, sendo o projeto do submarino muitíssimo importante e já contratado e em execução. A recente aquisição de baterias de mísseis russos muito avançados tecnologicamente, para esquema de proteção da Copa, foi bom passo também. Não tenho a informação sobre transferência de tecnologia, mas essa tem sido a tônica do governo quando da aquisição de armamentos militares. A cada transação exitosa nessa área, o Brasil fica mais soberano, porque, ao contrário do que se nos parece, país independente é aquele que pode se autogovernar. E esse autogoverno só é possível com capacidade de dissuasão de investidas e de "ajudas" militares estrangeiras. Soberania, como relacionamento, se constrói (ou se destrói) todo dia, ato após ato. Estamos indo muito bem.    

Dívidas do setor elétrico - Continuamos sem saber o que pedimos: o subsídio ao setor elétrico garante quanto de crescimento econômico e melhoria de taxa de desemprego e arrecadação tributária em função desse crescimento e emprego? O IPEA pode calcular isso. Mas nem mesmo o governo pede esse cálculo. A mídia também não pede. E nem a oposição. Por quê? Teríamos noção objetiva da vantagem ou desvantagem da manutenção de um sistema tarifário e remuneratório do sistema elétrico e poderíamos concluir pela sua manutenção nos termos deficitários atuais ou seu fim ou alteração. Parece que com hidrelétricas a pleno vapor o déficit é bem menor do que os atuais 13 bilhões de reais anuais, mas o período prolongado de poucas chuvas não ajudou, o que está sendo revertido agora com as chuvas e o aumento das reservas de águas nas hidrelétricas. Falta informação. Não faltam críticas ao simples fato do déficit existir. Não falta crítica ao governo por essa tentativa de tornar a luz mais barata, o que diminui o "Custo Brasil". O debate na grande mídia sob o tema é árido, rasteiro e visceralmente partidário de uma única realidade: contra o déficit e contra a alteração do contrato do setor, que foi justificada pelo governo como adaptação e atualização de uma questão financeira que não se sustentava mais. O governo não quebrou contrato, mas fez uma proposta que as geradoras poderiam aceitar ou não. A proposta era a atualização financeira do contrato, revertendo, em benefício do consumidor (empresas e pessoas físicas), a alteração do "risco Brasil", que na época do contrato original estava em 2.000 pontos e hoje é de 180 pontos. Se o país tem menos risco, o custo desse risco, que estava ponderado e incluído no contrato original e refletia no preço das tarifas, poderia ser atualizado em benefício do consumidor. Essa foi a idéia. As que concordassem com a proposta teriam, antes do fim de seus contratos, o direito a prorrogação automática dos contratos de concessão de exploração de geração de energia elétrica com as hidrelétricas que administravam. As que não concordassem com a atualização do contrato, continuariam com seus contratos até o fim do contrato, que seria breve, e devolveriam as usinas para nova licitação, da qual poderiam participar novamente. Onde está o problema? Não há nem problema e nem truculência. Há vontade de aumentar as vantagens para empresas e pessoas físicas. O governo age como protetor de interesses nacionais e tenta baixar custo de produção brasileiro. Agora, para sabermos se isso é sustentável, se o déficit atual compensa existir ou não, só com boas informações, o que infelizmente não é apresentado para a sociedade. Lembro que países ricos são recordistas em subsídios para suas economias em diversos setores e não vemos a mídia explorar o motivo pelo qual tais subsídios, apesar de seus altos custos para o governo, parecem ser benéficos para as economias européia e americana. estamos mal nesse debate.

Ponderações estatistas contra a CBF - Gente, esses rompantes estatistas sem fundamento realmente minam a confiança no governo, admitimos. A notícia, publicada no Globo, de que o Ministro dos Esportes Aldo Rebelo (ou Algo Rebelde) ponderou sobre uma intervenção do governo na CBF para "melhorar o futebol" é o cúmulo do ridículo. Há corrupção na CBF? Sim, óbvio. Há escolha de jogadores para a seleção com beneficio em dinheiro para figurões da CBF e da Comissão Técnica? É muito provável. Isso é crime? Parece que não. É imoral? Sim, com certeza. Cabe somente expor as contratações, a escalação da seleção, benefícios em dinheiro para quem quer que seja.. e torcer para que as autoridades e figurões envolvidos sejam mais comprometidos com o melhor futebol brasileiro. Aqui, mais uma vez, a mídia e a investigação jornalística é essencial. Não se tem notícia de que os mesmo problemas não afetem as confederações de outros países, inclusive os ricos. Corrupção é um problema ético e a presença de mais governo na CBF não inspira a menor esperança de que seja a corrupção, seja o sistema tático, técnico ou artístico do futebol brasileiro melhoraria. Isso é ridículo. Como não houve ações nesse sentido de estatização da CBF, tratamos no nível em que está: mera bravata sem condições para concretização. Negamo-nos a crer numa imbecilidade destas. A CBF, incapaz ou não, deve ser privada porque o governo tem mais o que fazer. Futebol não garante educação e saúde. Futebol deve ser um setor econômico privado. Se o governo quer ajudar, faça leis que garantam a sustentabilidade econômica e financeira dos clubes. O resto é com eles e a CBF. Se somam a essa atitude péssima do governo, o Decreto 8243/2014 sobre participação social no governo, o desrespeito ao orçamento do Judiciário e outros rompantes anti-democráticos que só prejudicam a imagem do governo petista.

Banco dos BRICS - Gente, isso é demais. Será concretizado o Banco do BRICS! A Cúpula do Brics que ocorrerá em Fortaleza depois da Copa gerará meios da concretização plena deste Banco. Este banco será uma espécie de FMI de Brasil, China, Rússia, Índia e África do Sul. Isso, senhores, muda a geopolítica mundial! Ou ao menos tem esse potencial. O FMI, e temos artigo específico sobre o tema e a instituição, é um instrumento, um braço financeiro dos países ricos para tornarem dependentes países mais pobres e carentes de investimentos. A título de ajudar países a se desenvolverem, a atuação do FMI e Banco Mundial cria situação favorável aos países ricos para que possam exigir condições legislativas e administrativas internas dos países endividados para que suas empresas possam entrar em tal país e dominar ou explorar sua economia. No início não era assim, mas foi nisso em que rapidamente se tornou e assim se mantém até hoje. Por isso que toma emprestado do FMI recebe as visitas e palpites/determinações sobre política econômica que muitas vezes flexibilizam a soberania daquele povo que tomou emprestado. Culpa em parte do País que tomou emprestado e não pagou. Pior, não pagou e não se desenvolveu. Mas para rolar a dívida o FMI começa a exigir abertura de mercado para produtos de seus países dominantes, EUA-Japão e Europa, e a partir daí a economia do país começa a "avançar" a partir do espraiamento das empresas e indústrias estrangeiras em tal economia, bem como liberdade de importação e tudo mais que torne aquela economia subsidiária dos países ricos. O FMI não ajuda o país tomador de empréstimo a se desenvolver com soberania. E essa não é sua função. O País que for deve ter sua política de desenvolvimento e soberania econômica. Mas, então, já que nõa é possível aumentar nossa presença no FMI, que quer mais dinheiro dos BRICS, mas não aceita aumentar a participação no direito de voto (por que será? rsrsrs) criamos o Banco do Brics que terá a função do FMI, mas gerido pelo Brics. Ou seja, o Banco do Brics competirá com o FMI e Banco Mundial por tomadores de empréstimos internacionais. E tomariam empréstimo para quê? Para construir usinas hidrelétricas, aviões militares e comerciais, construção de pontes, de sistema de esgotos, de casas, de linhas férreas, de metrô, de tudo, senhores. E quem construiriam, prestariam serviços e forneceriam bens a esses tomadores de empréstimos no Banco dos BRICS? Naturalmente Brasil, China, Rússia, Índia e África do Sul. Inclusive financiaríamos a nós mesmos!!! E as regras de cobrança e de rolagem de dívida, tudo indica, serão muito menos agressivas contra a soberania do país que tomou empréstimo do que as praticadas pelo FMI e Banco Mundial. Então, mais uma vez, sublinhamos esse feito de impulso, assim como a criação do G-20, do governo petista e do Itamaraty. Um grande feito pela nossa soberania e para o desenvolvimento autônomo de nossa economia e sua inserção autônoma no mundo. Fantástico. Acompanhamos esse desenrolar de fatos e damos a devida importância que parece estar sendo ignorada pela grande mídia.

quinta-feira, 3 de julho de 2014

Revista de junho de 2014 (os últimos trinta dias): Petrobrás e contratação direta, "Mais médicos" e o desafogamento de hospitais e Europa persegue aumento de inflação

Durante este período de Copa está difícil parar para dedicação normal à produção de informação para o Blog. Está difícil por que somos brasileiros e estamos no grupo que torce a favor do Brasil (esperamos levaro o Hexa!!)  a favor do sucesso de todo o empreendimento da Copa, já que somos anfitriões desta festa mundial.

Muitos temas interessante ocorreram durante este junho e vamos citar alguns aqui com destaque, sem muito aprofundamento, para garantir que pelo menos você tenha essa informação que não estão tendo grande destaque que consideramos adequado na grande mídia.

Petrobrás e a contratação direta de extração de petróleo - Foi encontrado um número gigantesco de excedente de petróleo em bacias sob a administração/exploração da Petrobrás sob o regime de partilha. São quase 15 bilhões de barris de óleo excedente!!! Como o contrato anterior previa um pagamento de partilha em barris de óleo para o governo, havendo excedente, deve haver a compensação do direito a explorar esse excedente. Como as áreas estavam sob operação da Petrobrás, seria difícil passar para outras empresas através de licitações normais de blocos, pois o excedente destes quatro campos eram em blocos já repassados à Petrobrás ou em seu entorno muito próximo. É óbvio que essa situação gerou uma situação confortável para o governo, que pode cobrar adiantado da Petrobrás pelo direito de exploração desse excedente, ajudando a fechar contas públicas.  Mas em uma extensa informação publicitária no Jornal do Commercio, na página A-9 do dia 30/06/2014, que pretendemos transcrever em breve a vocês, a Petrobrás explica as vantagens da transação para a Petrobrás que teve adicionado, sem necessitar de participar de processo licitatório, quinze bilhões de barris de óleo a serem retirados a partir de 2020, sendo que até o momento houve aproveitamento de 100% de todas as perfurações na região (dezessete perfurações) e retirada de óleo de qualidade. Ela informa que o impacto financeiro é mínimo, tanto dos 2 bilhões de reais a serem pagos esse ano, como dos outros 13 bilhões de reais a serem pagos até 2018, eis que o aumento absurdo de produção de petróleo desde janeiro de 2014 (sim esse mesmo ano corrente) providenciará todos os valores necessários sem ser necessário mexer na planilha financeira já fixada pela Petrobrás para investimentos até 2020. Esse acréscimo de reserva de óileo para a Petrobrás ainda gerará a necessidade de contratar mais navios e sondas, o que, como a contratação é em grande percentual nacional, gerará mais empregos para a indústria naval brasileira. Gente, contrariamente o que a grande mídia publicou, isso não desestimula a área privada, que não deixará de pagar por blocos no pré-sal ou pós-sal, e foi bom para a empresa, assim como, realmente, foi muito bom para o governo e par as contas públicas... pena para a oposição, mas para o brasileiro está tudo bem, segundo nossa perspectiva.

"Mais Médicos" desafoga hospitais - Acesse hoje a matéria do Jornal do Commercio sobre informações altamente positivas sobre o "Mais Médicos" em http://www.jcom.com.br/noticia/149232/Dilma_Programa_Mais_Medicos_supera_meta_e_beneficia_50_milhoes_de_brasileiros
A informação, em suma, é de que o programa está em 3.819 cidades, atendendo a todos os pedidos de todas as prefeituras do Brasil, atingindo uma cobertura de atendimento de 50 milhões de brasileiros que antes tinham de ir às cidades vizinhas para serem atendidos, às vezes de barco, às vezes a pé. Esse atendimento foi responsável por uma diminuição de demanda nos hospitais das regiões próximas em até 21%!! Isso é fantástico. São atualmente mais de 14 mil médicos, o que , somente com remuneração a R$10 mil reais por médico, significa um aumento do investimento em saúde no valor de 140 milhões de reais mensais ou 1,68 bilhão de reais anuais para a saúde. A despeito das resistências múltiplas ao programa.. parece que os resultados são altamente satisfatórios.. e com certeza será explorado na campanha da re-eleição da Dilma.. com mérito, a nosso ver. Apoiamos o Programa Mais Médicos, a despeito de problemas de forma do mesmo.

Europa Persegue aumento de inflação - Ainda neste mês de junho de 2014 foi publicado no Jornal  O Globo, sem o devido destaque, segundo nosso entendimento, que a Europa agora, logo após o Japão fazer o mesmo, debate a persecução de uma inflação maior. O problema é que a austeridade imposta na Europa não está ajudando nem o crescimento econômico e nem a criação de empregos e taxas de dois dígitos de desemprego exigem grandes gastos com assistência social ou previdenciário. Assim, europeus pretendem perseguir uma meta maior de inflação para tornar possível um crescimento econômico maior e mais rápido, para diminuir o desemprego e os custos socais do mesmo. Nós do Blog já tínhamos chamado a atenção para o erro do exagero de austeridade, que gera a exposição da qualidade de vida do cidadão europeu comum, mas que garante baixos índices de inflação, protegendo a riqueza de quem a tem. Nada contra a riqueza. Aliás, tudo a favor. Mas deve haver uma discussão dialética sóbria sobre qual a medida de equilíbrio aceitável entre a defesa de patrimônio financeiro, com inflação baixa, e a defesa da qualidade de vida de cidadãos, que precisam de emprego, mesmo que exija um pouco mais de inflação. Japoneses e europeus já concluíram isso, a favor de mais inflação... quanto tempo precisaremos para entender o mesmo? O Blog Perspectiva Crítica é aliado do controle da inflação, sempre. Mas exige a coragem dos agentes de mercado, do governo e da sociedade, para discutir o equilíbrio entre inflação, juros públicos, emprego e crescimento econômico para a defesa de um desenvolvimento econômico que gere o máximo de benefício social possível, o que é impossível sem empregos.    

p.s. de 04/07/2014 - texto revisado e ampliado.

segunda-feira, 30 de junho de 2014

Blog Perspectiva Crítica faz 4 anos com novidades!! Mais de 120 mil acessos globais!

Senhores e senhhoras que acompanham nosso Blog político e econômico, é com grande alegria que comemoramos quatro anos do Blog Perspectiva Crítica!

Nascido em 21/06/2010, a partir do cansaço em ter informações de baixo nível oriundos da grande mídia, nosso Blog fez 4 anos de trabalho duro, criticando artigos desinformativos de jornais e revistas da grande mídia, criando contraponto para suas pautas de artigos e para suas perspectivas sobre fatos políticos, econômcios e sociais! Mas não só isso!

Neste ambiente crítico, apresentamos críticas ao governo, à oposição, assim como elogiamos os bons artigos da grande mídia, aqueles realmente informativos! Elogiamos bons atos de governo, mesmo que tenhamos o trabalho extra de procurar essas notícias em jornais menos acessados pelo grande público como Jornal do Commercio e programas jornalísticos oficiais como o "A Hora do Brasil".

Elogiamos também as atitudes da oposição em cobrar o que realmente está equivocado! Nosso objetivo é realçar os bons atos políticos, econômicos e sociais, venham de que origem ou fonte seja, assim como criticar a enganação, a deturpação de fatos e a mentira, venha de onde vier.

Nosso exclusivo compromisso é com o leitor, pessoa física, chefe de família, trabalhador brasileiro, seja da área privada, seja da área pública. E nisso temos tido êxito. Nossa produção não pode ser a mesma em quantidade do que a da grande mídia, mas fazemos questão que cada artigo seja ótimo para informar com qualidade os leitores sobre o tema a que se propôs elucidar.

E assim foi, assim é e assim continuará sendo!

Para ampliar o acesso ao Blog e seu conteúdo, que exige um alto e menos comum traballho de leitura e concentração, acima da média do que se exige de quem lê jornal (pois normalmente apresentamos o tema que será criticado e depois apresentamos nossa crítica, seguida de conclusão ou proposições), por exemplo, tomamos a medida de criar uma Fan Page na Facebook do Blog Perspectiva Crítica, assim como um canal no YouTube do nosso Blog! O acesso a vídeos sobre os artigos escritos e sobre novos temas será muito mais fácil do que a leitura de artigos e tem o condão de popularizar mais ainda nossas informações e críticas à desinformação em massa criada pela grande mídia e pela oposição e também pelo governo.

Ficamos muito felizes em dar continuidade a nosso fim institucional que é informar melhor a população e sob uma perspectiva do cidadão brasileiro e não de empresas ou bancos.

Seguimos juntos!

Abraços a todos pelo apoio!

BLOG PERSPECTIVA CRÍTICA

p.s. de 02/07/2014 - texto revisado.