terça-feira, 4 de junho de 2013

Brasil x Mundo: serviços públicos prestados à população por imposto pago

Pessoal, há muito tempo eu estava querendo escrever isso para vocês. Sei de várias prestações de serviço público em alguns países e vou levantar mais. Quero fazer essa comparação entre esses países e o Brasil só para você ver três coisas: (1) EUA não é modelo, (2) Europa tem mais serviço público para seus habitantes por imposto pago, e o (3) Brasil tem toda a condição de ter qualidade de vida européia em pouco tempo, só depende de vontade política, do seu voto, sua conscientização e cobrança.

Vamos explanar os seguintes dados por países para que você faça sua comparação e tire suas próprias conclusões. Isso meu amigo, você N U N C A verá escrito em jornal de grande mídia algum! Isso só nós do Perspectiva Crítica fazemos para você, para que você melhore e pense sobre como melhorar a vida da sua família com o instrumento que é seu, mas você não sabe e nem usa: o Estado Brasileiro.

As informações dadas sobre os países serão: carga tributária, número de servidores por habitante e serviços públicos prestados/disponíveis à população e/ou direitos trabalhistas previstos para o trabalhador. Serão considerados somente países ricos próximos do PIB do Brasil e o Brasil (não compararemos com Peru, Bolívia, Nicarágua, Panamá, Malásia, Indonésia e Suriname como a grande mídia costuma.. rsrsrs até porque esses países costumam não ter serviços públicos ou previdência social disponível à sua população.. mas têm carga tributária baixa).

Países que interessam para comparação séria sobre nível de vida são Inglaterra, França, Alemanha e EUA, todos entre os oito países mais ricos do mundo, inclusive como nós, hoje o sétimo país de maior PIB no mundo.

França - Carga tributária de 42%. Existe um servidor para cada 12,5 habitantes. Serviços Públicos disponíveis a seus cidadãos: hospital público gratuito de qualidade, educação pública gratuita de qualidade da creche à faculdade, babá/assistente disponível duas vezes por semana por até quatro horas para o cidadão que tiver filho pequeno. Uma amiga franco-brasileira, ao se mudar para o Brasil, pediu matrícula no Liceu Franco-Brasileiro (* ver p.s. de 07/06/2013) e não paga nada porque seu filho é francês. Os franceses ainda têm serviço de médico em casa para idosos e em casos de urgência. Direitos trabalhistas e previdenciários: França tem Previdência Social pública para seus habitantes e além de todos os direitos que temos, o turno de trabalho é de 35 horas semanais, ou seja, seis a sete horas diárias nos dias úteis e mais a diferença no sábado. No Brasil é de 44 horas semanais, ou máximo de oito diárias nos dias úteis e mais 4 horas no sábado. Detalhes: Salário mínimo de 1.500 euros, creches públicas ao custo de um euro por dia, e professores e médicos públicos bem remunerados.

Brasil - Carga tributária de 35%. Existe um servidor para cuidar de grupo de 32 habitantes em média, ou seja, quase três vezes menos servidores do que a França disponibiliza para seus habitantes. Escola Pública sem qualidade e Hospitais públicos sem qualidade de atendimento à população. Professores mal remunerados e médicos públicos mal remunerados e em número insuficiente para a população. Escolas de Ensino Primário e Médio públicas de qualidade são raros na rede geral do ensino público disponível, mas existem (Colégios de Aplicação, Colégios Militares e Colégio Pedro II, além de poucas outras estaduais e municipais). Isso nos obriga a pagar escola particular e plano de saúde que europeus não pagam. Há Previdência Pública ampla e boa na cobertura dos sinistros sociais, mas com atendimento em vias de melhora (atendimento público na França também não é o ponto forte, disponibilidade de serviço público sim). Universidades Municipais, Estaduais e Federais estão entre as melhores do País. Disponibilidade razoável à população, se comparada com europeus. Na França você pode passar para a Universidade de Paris e esperar até cinco anos para começar seu curso gratuito. Direitos trabalhistas: todos conhecidos, em especial para comparação, 44 horas semanais de trabalho máximo, licença maternidade de 4 meses extensíveis por mais dois meses, dependendo de a empresa empregadora participar de programa de governo para isenção de tributos em compensação pela concessão de mais dois meses de licença maternidade. A mãe tem direito a salário e a empresa paga encargos trabalhistas e previdenciários durante a licença maternidade. Não há praticamente serviço de creche pública, o que no RJ começa incipiente no governo Eduardo Paes. Salário Mínimo de 350 dólares. Ou seja, único serviço público com alguma qualidade é a oferta de vagas em Universidades Públicas, em alguns poucos Colégios Públicos de qualidade, e atendimento de emergência em alguns hospitais públicos. Hoje há também o sistema de fornecimento de medicamentos caros para os que não puderem pagar, mesmo que sejam de classe média alta (no caso de medicamentos e cirurgias supercaras).

Alemanha - Carga tributária de 37%. Existe um servidor para cada 18 habitantes, ou seja, os alemães têm quase o dobro de servidores públicos por habitante para prestar serviços à população do que o Brasil disponibiliza a seus "ricos" habitantes. Salário mínimo de 1.500 euros. Serviços Públicos disponíveis: Educação pública gratuita de qualidade da creche à faculdade. Previdência Social Pública. Professores públicos, médicos públicos e policiais ganham bem (ao menos 4 mil euros, mais ou menos). Direitos: licença maternidade de 3 anos, sendo um ano com salário e encargos trabalhistas e previdenciários pagos e dois anos opcionais, sem pagamento de salário, mas com pagamento de encargos previdenciários e trabalhistas. Férias são de 30 a 35 dias úteis por ano trabalhado. No Brasil são 30 dias corridos por ano trabalhado.

Inglaterra - Carga tributária de 34,3% (dado do ano de 2009, quando o Brasil tinha carga tributária de 33% - veja p.s. abaixo). Existe um servidor para cada 29 habitantes, ou seja, 10 % mais em média do que o Brasil (dado de 2010). Em relação a médicos, enquanto eles contam com 2,7 médicos por mil habitantes, o Brasil tem 1,8 médicos por mil habitantes e precisaríamos contratar mais 168 mil médicos hoje se quiséssemos nos igualar aos ingleses neste quesito (dado de 2013). O caixa que existe em Hospitais públicos ingleses é para dar dinheiro do meio de transporte que o cidadão deve pegar para voltar para casa, caso não tenha dinheiro disponível no momento (ver filme "Sicko SOS Saúde"). Educação Pública gratuita de qualidade em todos os níveis. Saúde Pública gratuita de qualidade a todos os habitantes, incluindo a família real. Previdência Pública. Licença  maternidade de dois anos.

EUA - carga tributária de 24% (Warren Buffet disse que isso é carga tributária média. ricos experimentam peso de 17% e classe média 40% de carga tributária). 22% dos trabalhadores nos EUA são funcionários públicos, ou seja, o dobro dos servidores disponíveis no Brasil, que apresenta percentual de 10,7% de servidores públicos em todo o contingente de trabalhadores formais. Educação Pública gratuita somente no Ensino Primário e Médio. 70% das faculdades americanas são públicas, mas nenhuma é gratuita, sendo o curso mais barato de oito mil dólares por ano. Pessoas pobres muitas vezes servem em guerras para poder ter o direito de cursar tais faculdades sem pagar; se voltarem vivas, lógico. Ou seja, o acesso à graduação superior é elitizado e anti-democrático, excludente do pobre. Hospitais Públicos Americanos são ótimos, mas nenhum é gratuito. Se você não tiver emprego e plano de saúde, pode não ser atendido em hospital público americano. Famílias já faliram por não poderem usar mais o plano de saúde e terem de vender casas e carros para poderem pagar a assistência médica pública. Veja isso no filme "Sicko SOS Saúde" de Michael Moore. Assista um americano só poder reimplantar um dos dedos perdidos da mão por falta de dinheiro para pagar o reimplante do segundo dedo, no filme mencionado. Previdência americana é privada. Reze para poder pagar uma ou envelheça abandonado. Qualquer empregado pode pagar a previdência, mas o desempregado não. Licença maternidade é de 03 (três) meses e, pasmem, sem direito a salário. Não sei se durante a licença a empresa paga encargos trabalhistas e previdenciários. Só sei que durante três meses a mãe não perde o emprego, mas não recebe salário.

Fica aí o que eu sei para você comparar sobre o imposto que pagamos e o que alguns países com mais impostos dão a seus cidadãos. O problema é carga tributária ou serviço prestado por imposto pago?

Saiba, ainda, que o seguro desemprego na Bélgica é de três anos. E que o estudante em nível superior tem o direito de fazer pesquisa ou trabalho voluntário em qualquer país que deseja por dois anos, período em que recebe algo em torno de mil euros por mês por tal período. Ou seja, a faculdade é pública e gratuita e ainda recebe para estudar no exterior em espécie de extensão/estágio/pesquisa. Saiba que na Holanda, se você provar que sua família não tem boa renda, você recebe ajuda financeira para cursar a faculdade pública gratuita. A bolsa de mestrado na Itália é de 11 mil euros e doutorado de 15 mil euros. Na Alemanha é de 15 mil euros para mestrado e 18 mil euros a 22 mil euros para doutorado. No Brasil é de R$1.500,00 para mestrado e R$3.000,00 para doutorado, depois que o Lula dobrou esses valores. E por fim, no Canadá também há escolas e hospitais gratuitos para a população que não gasta com plano de saúde e educação dos filhos. No Canadá todos os que têm filho recebem ajuda mensal de até mil dólares e, mesmo que não precise (como ocorreu com um casal brasileiro naturalizado canadense) e não queira usar este valor, com objetivo de poupar o dinheiro público para quem precise mais, se não o pegar/sacar ou usá-lo é considerado irresponsável com a criança e é intimado a pegar o valor ou perder a guarda da criança por inépcia. Além disso, o cirurgião público canadense é obrigado a fazer somente 120 cirugias por ano, para garantir sua plena capacidade de trabalho na hora da intervenção cirúrgica. Se fizer mais do que isso pode responder a processo adminstrativo por irresponsabilidade funcional e causar risco ao paciente.

Então, está aí. Verifique se EUA é fantástico e se você paga muito imposto. Ou será que os EUA não são o modelo ideal e o problema do Brasil é pouco servidor e serviço público pelo imposto pago? Para nós do Blog Perspectiva Crítica, o modelo de sociedade é o europeu, com serviços públicos gratuitos semelhantes, com mais servidores públicos e mais bem remunerados. Muito mais importante do que o pedido midiático diuturno por menos imposto.

Fontes: artigos do Globo, em especial um publicado em 08/06/2010 dando a comparação entre quantidade de servidores por habitante em vários países; filme "SICKO - SOS SAUDE", de Michael Moore e conversas com amigos europeus, americanos, brasileiros que viveram e vivem nos EUA e que vivem e trabalham na Europa.

p.s.: texto revisado. Saiba ainda que a França e Inglaterra têm PIB quase idêntico ao nosso. Alemanha tem PIB 50% superior ao nosso. EUA têm PIB quase 7 vezes superior ao nosso (menos carga tributária sobre esse pib gera muito mais imposto pago do que aqui e possibilidade de prestar mais serviço público que os EUA não presta gratuitamente por princípio contrário ao que existe na Europa). Nosso PIB de 2012 é de mais ou menos 2,3 trilhões de dólares.

p.s.2: Sobre comparação da carga tributária dos países da OCDE e do Brasil, veja http://www.perspectivacritica.com.br/2012/02/carga-tributaria-brasil-x-ocde-brasil.html

p.s.3: Sobre dados econômicos atuais (2012/2013) entre países europeus, EUA e Japão em contraste com o Brasil, veja http://www.perspectivacritica.com.br/2013/05/brasil-x-mundo-dados-economicos-de.html

p.s.4: Sobre a comparação de dados econômicos e sociais entre Brasil e países trilaterais (Europa-EUA-Japão) mais importantes, acesse http://www.perspectivacritica.com.br/2012/01/relacao-dividapib-brasil-x-mundo.html

p.s. de 07/06/2013 - texto revisto e ampliado. (*) o filho francês da minha conhecida pôde estudar de graça no Liceu Franco-Brasileiro, por ser francês. Não foi no Colégio Franco-Brasileiro, como anteriormente informado.

p.s. de 03/06/2014 - texto revisado.

p.s. de 15/08/2016 - Texto revisado.

29 comentários:

  1. INTERESSANTE O PONTO DE VISTA, NÃO É MUITO IMPOSTO, É DINHEIRO DE IMPOSTO MAL APLICADO, COM RELAÇÃO AOS EUA, PELO JEITO TAMBÉM NÃO SÃO LÁ UM EXEMPLO DE EFICIÊNCIA NESSA PARTE, MAS PELO MENOS ELES JUDIAM MENOS NOS PREÇOS DOS BENS DE CONSUMO E ISSO TE DÁ UM ÂNIMO A MAIS PARA TRABALHAR E CONSEGUIR SEUS OBJETIVOS.

    ResponderExcluir
  2. É verdade, Alfredo. O imposto sobre o consumo lá é baixo e a economia é tão grande (14 trilhões de dólares contra 2,5 trilhões de dólares no Brasil) que até entregador de pizza pode ganhar dois mil dólares por mês e viver razoavelmente em um país de baixos juros bancários ao consumidor (média de 6% lá de imposto sobre o carro, por exemplo, contra 45% aqui).
    Entretanto, se você não tiver plano de saúde lá ou, mesmo que tenha, tiver dois infartes em um ano ou emergências não cobertas, você pode ir à falência imediatamente. Veja isso no filme "SOS SAÚDE SICKO" de Michael Moore.
    Portanto, se podemos ter o nível de vida nórdico, com carga tributária mais alta, mas com estrutura absoluta ao cidadão, porque seguirmos o modelo norte-americano que desassiste totalmente o cidadão pobre ou aquele que passar por problemas financeiros ou quem não esteja coberto pelo plano de saúde?
    Não há qualquer sentido, para quem pesquisar, em seguir o modelo norte-americano elitista e discriminatório de cidadãos pobres ou com peculiaridades de carência familiar ou de qualquer tipo.
    Essa foi minha conclusão após muita pesquisa e informação. Ser cidadão na Noruega, Dinamarca, Suécia, França, Inglaterra ou Alemanha é melhor do que ser nos EUA. Então, foquemos logo no melhor.

    ResponderExcluir
  3. E é exatamente como você falou! Nõa é muito o imposto que se paga, mas absolutamente o gasto público estar focado no que dá retorno financeiro e qualidade de vida ao cidadão!!! É somente isso!! leia o artigo deste Blog "A Guerra pelo Pib" e saiba mais sobre o verdadeiro novo embate que existe na sociedade ocidental contemporânea e que se aplica, pela globalização, a todo o mundo.
    Forte abraço! E te aguardo no lançamento do meu primeiro livro! Acesse o artigo "Convite para o lançamento do primeiro livro do Blogger".
    Abs

    ResponderExcluir
  4. Oi, excelente artigo, muito interessante. Sobre esses dados de número de servidores públicos em cada país, onde os encontrou? Muito obrigado!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado Walter! As informações de relação de servidores públicos por habitante foram publicados no Jornal O Globo em 08/06/2010, na página 21. Publicaram de forma indutiva com gráficos e desenhos representativos de tais números como se o Brasil por ter 1 servidor para cada 32 habitantes tivesse máquina inchada. Desenharam trinta e dois bonecos para o Brasil e 18 para a Alemanha, doze para a França etc.. Foi justamente essa forma de manipçular a informação escrita em contraste com a gráfica, mentindo contra a Adminstração Pública brasileira que me revoltou e me incentivou a criar o Blog, que foi criado justamente no dia 21/06/2010, treze dias depois da publicação indutiva e desinformativa.

      Excluir
    2. Mas no Blog, em seus mais de 605 artigos escritos em 40 meses de vida, você pode pesquisar sobre administração pública e servidores, cargos em comissão e cargos efetivos, salários de professores e médicos, e você encontrará muita coisa de que gostará, se você gostou desse tipo de informação. Procure também os artigos "A guerra pelo Pib", "Reconstruindo o serviço público, Reconstruindo o Brasil" e "A lista dos 13 a melhores artigos do Blog na visão do Blogger". Em seguida tem lista complementar de mais doze artigos. Procure por último o artigo-index "Política, Economia e Administração Pública".
      Nosso Blog luta para termos vida igual a de cidadãos nórdicos, suecos, noruegueses e dinamarqueses. Como eles podem viver melhor do que nós se não são a sétima economia do mundo?!?! Como acertar esses ponteiros. O Blog discute a realidade e sugere medidas. O Blog é crítico, mas antes de tudo é propositivo.
      abs e bem-vindo ao Clube!!

      Excluir
    3. Por fim, você deverá gostar do artigo "Bibliografia e Cinematografia Objetiva do Blog Perspectiva Crítica". São as grandes fontes primárias do Blog. E o Blogger acabou de publicar livro sobre uma nova teoria de Estado, o Estado Conformacional. Se tiver interesse, acesse www.estantedoautor.com.br
      Boa pesquisa e boa leitura,

      Excluir
    4. Cada cidadão consciente torna o Brasil e seus cidadãos mais ricos.

      Excluir
  5. Tu esqueceu de um pequeno detalhe: antes de adotar este modelo (Walfare Estate) os países Europeus ENRIQUECERAM através de uma intensa industrialização. Além disso, eles possuem um PIB per capita infinitamente maior se comparado ao Brasil. Na atual conjuntura econômica brasileira é simplesmente inviável aumentar o número de servidores públicos sem aumentar a carga tributária. Se aumentar a carga tributária o ambiente econômico ficará ainda mais hostil para os empreendedores e chegará um momento que todo o castelo de cartas virá abaixo. Adotar o modelo europeu sem antes tornar-se desenvolvido é suicídio econômico.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Gregory e Eliel, a resposta a seu comentário está em outro comentário do Blog, em agosto de 2015, para facilitar e ampliar o acesso de todos à discussão.

      Ótima pergunta e comentário. Ótima oportunidade para elucidar outras pessoas com a mesma dúvida.

      abs

      Excluir
  6. Gregory, desculpe o atraso.. sou assim mesmo.. e estou finalizando meu segundo livro..
    Observe, a tese da origem do enriquecimento dos países europeus e nórdicos já foi enfrentada aqui e você encontrará a resposta no artigo intitulado "OCDE comprova: Países de maior IDH e ricos têm até três vezes mais servidores públicos do que o Brasil", no endereço http://www.perspectivacritica.com.br/2014/08/ocde-comprova-paises-de-maior-idh-e.html

    Nós, após nossos estudos não concluímos como você que o enriquecimento veio antes do investimento em prestação de serviço público. Parece-nos claro que no caso especial europeu, após a segunda guerra houve maciço investimento em serviço público antes do crescimento econômico simplesmente pois após a segunda guerra todo o parque industrial e produtivo europeu estava destruído.

    Também discordamos do mero papel de "gasto" que tem em suas palavras o investimento público em prestação de serviço público. Sua perspectiva encontra subsídio na máxima professada na grande mídia e pelo mercado financeiro, em uma visão economicista da dinâmica econômica e social, mas não na análise fira e responsável dos fatos, como já fez o IPEA, mostrando, por exemplo que o investimento em saúde e educação gera mais renda e retorno social do que o investimento em exportação.

    Sugerimos a leitura do nosso artigo intitulado "Investimento social e retorno em renda familiar e crescimento do PIB", acessível no endereço http://www.perspectivacritica.com.br/2011/02/investimento-social-e-retorno-em-renda.html

    Você esquece, isso sim e ao contrário de mim.. rsrs, que o servidor público gera arrecadação, renda e contribui para crescimento do PIB e não somente para gastos orçamentários... não há esse estudo propagado pelas mídias de mercado de forma coesa; então nós fizemos essa pesquisa e apresentamos no seguinte artigo, cuja leitura aconselhamos a você: "Pode o serviço público dar lucro à sociedade? A verdade por trás da mentira publicada pela grande mídia no Brasil", acessível em http://www.perspectivacritica.com.br/2014/11/o-lucro-que-o-servico-publico-da.html

    Convém, ainda, que você leia o livro recente de Mariana Mazzucato, Conselheira do governo britânico, intitulado "Estado Empreendedor", o qual, posteriormente a nossa posição defendida neste blog, defende a importância estratégica do Estado para a inovação tecnológica e produção e crescimento econômico.

    Mas é uma lisonja para nós poder travar este debate contigo, pois é justamente esse o nosso objetivo: libertar a mente do cidadão de mitos econômicos e sociais, criados pela mídia de mercado e por expoentes universitários defensores de uma perspectiva da realidade que hoje é hegemônica, mas mentirosa.

    Obrigado pela oportunidade do debate. Esperamos que nossa resposta, nossas indicações de leitura e nossos artigos indicados lhe sejam úteis para que você continue a questionar a realidade social que nos cerca.. e que hoje nos empobrece.. mas dependendo de nossa atitude e postura, pode passar a nos enriquecer.

    Grande abraço


    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Desculpe as faltas de algumas vírgulas em posições adequadas.. rsrsrs.. não revejo textos de respostas e comentários, até porque os recursos de edição são mais escassos nesses espações do que no destinado a artigos do Blog. abs

      Excluir
  7. Gregory, ainda tem mais um detalhe: A União Federal gasta 30% do seu orçamento com servidores públicos. Esse valor poderia chegar a 49%. Então veja, há muita margem para investimento em servidores públicos.. naturalmente que gerem retorno desses valores. Deveria haver pesquisa para se apontar os que mais geram crescimento econômico, por exemplo. Não sou contra. E, claro, deve haver gestão com metas; mas também com bônus, quem sabe.. como na área privada... temos de parar de ver servidores somente como gastos porque não são.

    Eles melhoram o ambiente de negócios, aumentam a produtividade do País e também contribuem para crescimento do PIB e baixa da inflação. Veja nos artigos mencionados: 400 servidores públicos no Porto de Santos fariam o mesmo funcionar 24 horas e aumentaria em 60% a produção do Porto de Santos, que negocia 20% da balança comercial brasileira! Isso dá lucro de bilhões para a economia e o Estado; as vacinas da FIOCRUZ geram economia ao Estado de bilhões em compras de medicamentos que seriam importados; as patentes e descobertas da Embrapa aumentam a produtividade do campo no Brasil e gera recordes de produção de alimentos que baixam a inflação todo ano e geram divisas para o país; dentre vários outros casos. Pesquise, veja por você mesmo. Isso não é publicado dessa maneira, mas isso é a verdade.

    ResponderExcluir
  8. Bruno Carvalho
    Boa noite Mario. Uma coisa que me deixa confuso, se os políticos são pagos para administrar os serviços públicos, porque eles não utilizam desses serviços? Como por exemplo hospitais, escolas e transporte!

    ResponderExcluir
  9. Bruno Carvalho
    Boa noite Mario. Uma coisa que me deixa confuso, se os políticos são pagos para administrar os serviços públicos, porque eles não utilizam desses serviços? Como por exemplo hospitais, escolas e transporte!

    ResponderExcluir
  10. Excelente pergunta, Bruno. Muito colocada essa questão por aí. Já houve, parece, inclusive proposta para que os políticos fossem obrigados a colocarem seus filhos em escolas públicas. A ideia por trás de uma lei dessas é tentar impulsionar a melhoria da rede de educação pública a partir do fato de que os filhos daqueles que têm o poder para realizar essa melhora sejam condenados a frequentar a rede de ensino público.
    Observe. Apesar de prática a ideia, ela é inconstitucional. Isto porque as leis devem ser abstratas, aplicáveis a todos, em regra. E o Estado deve garantir a educação das pessoas (artigo 208 CF), o que, ao se diminuir opções de escolhas para determinados grupos, gera uma piora no atingimento desta finalidade além de um tratamento odioso e que segrega o grupo, que no caso seriam os filhos de políticos.
    O que deve ser feito para se melhorar os serviços públicos é simples, mas exige investimento público: criar carreiras públicas de médicos e professores, dar salários dignos para estes servidores para que não usem tal cargo público de bico, mas de principal renda, e garantir a existência de número adequado de servidores para a demanda que hoje existe em nossa sociedade por tais serviços. Também é importante contratar gestores que tivessem independência no serviço público. O cargo de gestor existe, mas não é um quadro com independência e nem há concursos públicos para tais cargos, porque eles atacariam a ineficiência da gestão pública e a roubalheira que existe hoje.
    Investir no Ministério Público, na Polícia e nos Tribunais de Contas e Controladorias Públicas também aumentaria o número de investigações e de fiscais que diminuiriam roubos e desvios da administração pública.
    É assim que lá fora funciona e aqui não.

    ResponderExcluir
  11. ACONSELHO A TODOS A LEREM O LIVRO A ECONOMIA DA DESIGUALDADE , DE THOMAS PIKETTY PARA SABER UM POUCO SOBRE CUSTOS DE FUNCIONALISMO NO BRASIL E NO MUNDO.. MAS SÓ PARA ADIANTAR,.
    NO BRASIL EXISTE UMA GRADE GAMA DE SERVIDORES PÚBLICOS QUE GANHAM SALÁRIOS DE MARAJÁS, QUE ULTRAPASSAM 10 VEZES O SALARIO MÉDIO NACIONAL E DE ATE 20 VEZES O SALARIO MINIMO NACIONAL, SENDO QUE EM PAÍSES NÓRDICOS , NUNCA SE ULTRAPASSA 3 VEZES, E ATE NOS USA, DITO PAIS SUPER CAPITALISTA, NUNCA SE PAGA AOS ALTOS SERVIDORES, MAIS QUE 5 VEZES O QUE UM OPERÁRIO GANHA... ASSIM NÃO TEM QUE DIZER OU COMPARAR O NUMERO DE FUNCIONÁRIO PUBLICO POR HABITANTE, MAS SIM O CUSTO DO FUNCIONALISMO POR HABITANTE.
    DA FORMA QUE ESTA, E DEVIDO A LEI DE RESP. FISCAL, SE GASTA 60% DE TODA A ARRECADAÇÃO COM FUNCIONALISMO, SOBRANDO-SE 40 % PARA , SAÚDE, EDUCAÇÃO, SEGURANÇA, INVESTIMENTO EM ESTRADAS, EM PESQUISAS, E ETC.. ASSIM DESTA FORMA NÃO TEM ORÇAMENTO QUE AGUENTE. , ESTA CONVERSA DE CPMF E ETC. NÃO RESOLVE, O QUE RESOLVE É O CORRETO USO DO DINHEIRO PUBLICO, PAGANDO- SE SERVIDORES COM SALÁRIOS SIMPLESMENTE SUFICIENTES, E NÃO DA FORMA QUE ESTA HOJE, QUE OS VERDADEIROS MILIONÁRIOS SÃO SERVIDORES PÚBLICOS DITOS DE ALTO NÍVEL., E VEMOS A CLASSE OPERARIA SOFRENDO NAS FILAS DE HOSPITAIS, DE INSS, E ETC.
    ACORDEM, ENQUANTO NÃO SE EQUALIZAR ESTES SALÁRIOS, O BRASIL SERA O PAIS DOS CONGRESSEIROS, NO VALE TUDO POR DINHEIRO, E FICANDO SE ASSIM CARGOS ASSUMIDOS POR DINHEIRISTAS E NÃO POR PESSOAS QUE TEM AMOR A PROFISSÃO,, COM RARAS EXCEÇÕES, E LOGICO.

    ResponderExcluir
  12. EM TEMPO, PAIS DOS CONCURSEIROS, OU CAÇA NIQUEIS.

    ResponderExcluir
  13. ACONSELHO A TODOS A LEREM O LIVRO A ECONOMIA DA DESIGUALDADE , DE THOMAS PIKETTY PARA SABER UM POUCO SOBRE CUSTOS DE FUNCIONALISMO NO BRASIL E NO MUNDO.. MAS SÓ PARA ADIANTAR,.
    NO BRASIL EXISTE UMA GRADE GAMA DE SERVIDORES PÚBLICOS QUE GANHAM SALÁRIOS DE MARAJÁS, QUE ULTRAPASSAM 10 VEZES O SALARIO MÉDIO NACIONAL E DE ATE 20 VEZES O SALARIO MINIMO NACIONAL, SENDO QUE EM PAÍSES NÓRDICOS , NUNCA SE ULTRAPASSA 3 VEZES, E ATE NOS USA, DITO PAIS SUPER CAPITALISTA, NUNCA SE PAGA AOS ALTOS SERVIDORES, MAIS QUE 5 VEZES O QUE UM OPERÁRIO GANHA... ASSIM NÃO TEM QUE DIZER OU COMPARAR O NUMERO DE FUNCIONÁRIO PUBLICO POR HABITANTE, MAS SIM O CUSTO DO FUNCIONALISMO POR HABITANTE.
    DA FORMA QUE ESTA, E DEVIDO A LEI DE RESP. FISCAL, SE GASTA 60% DE TODA A ARRECADAÇÃO COM FUNCIONALISMO, SOBRANDO-SE 40 % PARA , SAÚDE, EDUCAÇÃO, SEGURANÇA, INVESTIMENTO EM ESTRADAS, EM PESQUISAS, E ETC.. ASSIM DESTA FORMA NÃO TEM ORÇAMENTO QUE AGUENTE. , ESTA CONVERSA DE CPMF E ETC. NÃO RESOLVE, O QUE RESOLVE É O CORRETO USO DO DINHEIRO PUBLICO, PAGANDO- SE SERVIDORES COM SALÁRIOS SIMPLESMENTE SUFICIENTES, E NÃO DA FORMA QUE ESTA HOJE, QUE OS VERDADEIROS MILIONÁRIOS SÃO SERVIDORES PÚBLICOS DITOS DE ALTO NÍVEL., E VEMOS A CLASSE OPERARIA SOFRENDO NAS FILAS DE HOSPITAIS, DE INSS, E ETC.
    ACORDEM, ENQUANTO NÃO SE EQUALIZAR ESTES SALÁRIOS, O BRASIL SERA O PAIS DOS CONGRESSEIROS, NO VALE TUDO POR DINHEIRO, E FICANDO SE ASSIM CARGOS ASSUMIDOS POR DINHEIRISTAS E NÃO POR PESSOAS QUE TEM AMOR A PROFISSÃO,, COM RARAS EXCEÇÕES, E LOGICO.

    ResponderExcluir
  14. Antônio Izidoro, pedimos para que os comentários idênticos sejam publicados apenas uma vez por medida de organização e efeito mais agradável de visualização dos artigos e comentários. Mas não excluiremos seu comentário duplo, pedimos que você o faça para "limpar" o Blog. Rsrs

    Piketty é leitura indicada pelo Blog, como se pode observar de nosso artigo " Bibliografia e Cinematografia Objetiva Comentada do Blog Perspectiva Crítica", acessível em http://www.perspectivacritica.com.br/2012/02/bibliografia-e-cinematografia-objetiva.html

    Realmente há distorções remuneratórias no serviço público, em especial nos casos de ascensoristas de e motoristas de parlamentos estaduais ou municipais que ganham mais de 20 mil reais, ou de altos servidores públicos que recebem acima do teto constitucional de atuais 37 mil reais. Esses casos devem ser corrigidos e já foram até abordados por este Blog. Parar de contratar servidores de baixo nível educacional que podem hoje ser contratados via terceirização é a solução pro caso de ascensoristas e motoristas, já que não se pode diminuir seus salários sem ofender a Constituição. E o corte do salário superior ao teto Constitucional é a solução pro segundo caso, o que já vem sendo feito pela administração pública , mas com lentidão em face de poucos funcionários para o serviço e morosidade na tramitação de processos administrativos correlatos.

    E a diferença entre o maior salário público na Alemanha e o salário mínimo é de 8 vezes. Entretanto, qual a diferença entre a Alemanha e países nórdicos e o Brasil que justifique essa diferença? Lá a diferença educacional é menor do que aqui. E o desenvolvimento econômico e social permitiu salários mínimos no valor de até 2.916 euros na Suíça, por exemplo, o que significa em torno de 13 mil reais no Brasil, ao câmbio de hoje (janeiro/2016).

    Então, veja, a diferença existente no Brasil para a remuneração pública e privada não significa que se deve baixar a remuneração pública, mas que se deve desenvolver uma política de educação, para equalizar a diferença de educação na sociedade (o que equalizará a remuneração), e de valorização do salário mínimo, o que deve ser feito sem prejudicar o ambiente econômico e orçamentário-fiscal.

    Sua intervenção parece apontar para a opção vendida pela mídia de ataque ao funcionalismo, sua diminuição, diminuição de servidores e de seus salários, ideia a qual combatemos veementemente, pois resulta no prejuízo do retorno dos impostos pagos em serviço público que deveria ser prestado, ao mesmo tempo em que essa sugestão retira opção de emprego ao cidadão brasileiro, criando concorrência saudável com a área privada pela mão-de-obra do trabalhador, gerando pressão favorável à alta dos salários dos trabalhadores da área privada.

    Portanto, é importante não sucumbir a raciocínios imediatistas contrários ao serviço público por conta de crise econômica e apelo midiático por decréscimo de gastos públicos a qualquer custo. Isso ajuda a te empobrecer como cidadão e à sua família, sem ajudar de fato a economia ou o País. O limite orçamentário em relação a gastos com servidores é lei e, se chegar lá, haverá a demissão de servidores públicos para que a adequação orçamentária seja restabelecida. Fique tranquilo. Rsrs. Mas na crise, a França não saiu demitindo servidores públicos porque houve crise. Alemanha idem. Por que o Brasil deveria fazer isso? Os valores dos servidores, que são perenes, ajudam a economia a ter giro e mantém emprego de trabalhadores da área privada em tempos de crise.

    Então não concordamos com sua posição, mas agradecemos sua contribuição.

    Abraço.

    ResponderExcluir
  15. Sobre o tema, ainda, de falta de servidores e consequências ao Brasil e brasileiros, sugiro acessar nossos artigos:

    1 - Apagão de servidores públicos. Falta de servidores faz mais duas vítimas: CGU e IBGE param atividades - http://www.perspectivacritica.com.br/2014/09/apagao-de-servidores-publicos-falta-de.html

    2 - Defesa do Estado Mínimo e falta de investimento em serviço público mata brasileiros e desorganiza o Estado em todo o País - http://www.perspectivacritica.com.br/2011/01/defesa-do-estado-minimo-e-falta-de.html

    Assista também nosso vídeo intitulado "Serviço Público: custo ou investimento?", acessível em https://www.youtube.com/watch?v=QwWAMmVedrI

    Mas há muitos mais artigos sobre o tema neste Blog. Digite "Estado Mínimo" ou "servidores públicos" no buscador do Blog no campo superior esquerdo e faça sua própria pesquisa.

    Grande abraço a todos.

    ResponderExcluir
  16. Só uma coisa, o salário mínimo na Aleman foi aprovado no ano passado. Não existia até então. Mas gostei do texto, mas preciso checar algumas informações. Lembrando também que a saúde pública na Alemanha é paga.

    ResponderExcluir
  17. Só uma coisa, o salário mínimo na Aleman foi aprovado no ano passado. Não existia até então. Mas gostei do texto, mas preciso checar algumas informações. Lembrando também que a saúde pública na Alemanha é paga.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. João, te respondemos em abril de 2016 em forma de comentário do blog. Leu?

      Excluir
  18. João Vicente, não temos as duas informações que você passou: (a) na Alemanha não tinha salário mínimo até o ano de 2015 ou que (b) a saúde pública na Alemanha é paga. As informações estão vagas.

    Se você puder, gostaríamos que especifique, porque a informações que temos são as de que, salário mínimo ou não, não existe salário menor do que 1.500 euros da Alemanha pelo menos há dez anos, e de que a saúde pública na Alemanha é concedida pelo imposto pago.

    É claro que soubemos que, por exemplo, após o ano de 2008, com a crise, na Itália o serviço público médico e a universidade pública passaram a contar com uma cobrança de taxa ou contribuição que varia entre 10 euros e 100 euros, que pode ser, no primeiro caso, cobrado por atendimento médico efetuado ou, no segundo caso, por ano cursado em faculdade pública, dependendo da condição financeira da família.

    Isso é diferente de você dizer que a saúde pública na Alemanha é paga, como sabemos, por exemplo, que ocorre nos EUA, em que você, depois de atendido, pode sair com dívida de 60 mil dólares, dependendo do atendimento.

    Contamos com sua pesquisa e novas informações, amigão. É essa curiosidade que te move que nos une e torna este Blog diferente: um, canal vivo de intermédio de informações reais e precisas (na medida do possível) para elucidar questões que sequer são postas à sociedade com honestidade e objetividade pela grande mídia.

    Grande abraço.

    ResponderExcluir
  19. Segundo o seu texto, "Hospitais Públicos Americanos são ótimos, mas nenhum é gratuito. Se você não tiver emprego e plano de saúde, pode não ser atendido em hospital público americano." Esta sua afirmação esta muito errada. Eu vivi 11 anos nos EUA e precisei de emergência em três ocasiões e não tive problema. Também fui muito bem atendido. Lá, não se nega atendimento, principalmente o de emergência, mas conta vem depois na sua casa. Vale muito mais apena dessa maneira do que ficar dependendo de recursos como aqui no Brasil.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Leo, não vi a incongruência. Você disse que foi atendido e recebeu a conta. As informações sobre o não atendimento a quem nõa pode pagar está no filme "SOS Saúde Sicko" de Michael Moore. E este problema comentado por mim gerou a necessidade de o presidente Barack Obama criar o chamado ObamaCare, que incluiu 40 milhões de americanos pobres e miseráveis ao sistema público de saúde, justamente porque não eram atendidos.

      Excluir
  20. O artigo é interessante, mas a meu ver tropeça em um ponto: ao considerar o PIB (1º ps) não considera a nossa péssima distribuição de renda, assim como nossa divisão de pagamentos de impostos. Ou seja, a nossa concentração de renda é uma das piores do mundo (no período FHC lembro que chegou a ser a 2ª pior do mundo), e, assim como apontado nos EUA, a classe média e especialmente cruelmente a classe baixa paga mais impostos, porque a carga tributária é centrada no consumo e não na renda. Sendo assim os ricos pagam uma carga tributária ridícula, creio que algo como 6%, enquanto os pobres pagam 40, 50%.

    ResponderExcluir